Abadía e Beira-Mar terão visitas monitoradas

Os quatro chefes do crime organizado, entre eles Juan Carlos Ramirez Abadía e Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, acusados de comandar extorsões de dentro do Presídio Federal de Campo Grande passarão a ser mantidos em regime especial. Até agora, só Abadía merecia tratamento diferenciado. Eles ficarão em cela especial, terão apenas duas visitas semanais de parentes ou advogados, mas sempre acompanhados por servidores. "E nos banhos de sol não poderão ficar ao lado de detentos de fora do regime diferenciado", adianta o juiz-corregedor Odilon de Oliveira.A Operação X da Polícia Federal desmantelou ontem uma quadrilha formada por detentos do presídio e visitantes da cadeia. O grupo montou um esquema para a prática de roubos e extorsão mediante seqüestro. De acordo com a PF, de dentro do presídio Abadía e Beira-Mar instruíam visitas a cometerem os crimes. A organização criminosa estava sendo investigada desde abril deste ano. Além de Abadía e Beira-Mar, foram indiciados por formação de quadrilha os presos José Reinaldo Girotti, o Alemão, um dos maiores financiadores de grupos criminosos do País, e João Paulo Barbosa, um dos responsáveis pela execução do roubo ao Banco Central de Fortaleza, em 2005. Outras quatro pessoas foram presas.O juiz-corregedor ressalta que Fernandinho Beira-Mar sempre comandou crimes, incluindo seqüestros, de dentro de presídios. "São as visitas que recebe. Esse é o meio de contato dele com as quadrilhas que comanda no Brasil e no Paraguai." O advogado de Abadía e Beira-Mar, Luiz Gustavo Bataglin Maciel, negou que os dois tenham qualquer contato. "Eles não se conhecem", disse.A participação de Abadía na Operação X deve ampliar no governo as pressões para que seja extraditado para os Estados Unidos, onde responde por lavagem de dinheiro, tráfico e homicídio. Mas isso não deve acontecer logo. No dia 13 de março, o Supremo Tribunal Federal (STF) autorizou a medida. A decisão foi unânime, mas o Supremo impôs uma condição ao governo americano: uma possível condenação por prisão perpétua ou pena de morte deve ser convertida em simples prisão com prazo máximo de 30 anos, maior punição prevista na legislação brasileira. Os Estados Unidos, porém, ainda não fizeram nenhum sinal de que aceitarão. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

AE, Agencia Estado

05 de agosto de 2008 | 08h28

Tudo o que sabemos sobre:
crimeAbadíaBeira-MarPF

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.