Abbvie pondera oferta de US$55 bi pela Shire após mudanças fiscais nos EUA

A norte-americana AbbVie disse que estava reconsiderando sua oferta de aquisição de 55 bilhões de dólares pela Shire semanas após o governo dos Estados Unidos se movimentar para travar negócios projetados para reduzir a conta de impostos, o que varria 13 bilhões de dólares do valor de mercado da empresa listada em Londres.

REUTERS

15 de outubro de 2014 | 08h00

Às 07h27 (horário de Brasília), as ações da Shire despencavam 25,7 por cento. Mais cedo, os papéis chegaram a cair quase 30 por cento, para o patamar em que estavam antes das conversas para o negócio aparecerem em junho.

A AbbVie disse na noite de terça-feira que estava respondendo às propostas dos EUA que visam tornar mais difícil para as empresas norte-americanas a mudança de suas bases fiscais para fora do país, rumo a jurisdições de custo mais baixo na Europa.

A investida da AbbVie pela Shire, líder em medicamentos para tratar o transtorno de déficit de atenção e hiperatividade, foi anunciada em julho, em meio a uma onda de ofertas públicas de aquisição semelhantes envolvendo o setor farmacêutico dos Estados Unidos e Europa.

A empresa propôs a criação de uma nova companhia listada nos EUA com domicílio fiscal na Grã-Bretanha, onde o governo também introduziu incentivos fiscais destinados a incentivar pesquisa e desenvolvimento.

Se AbbVie voltar atrás em sua recomendação para o negócio aos acionistas, a companhia poderá ter que pagar uma taxa de quebra de acordo de 1,6 bilhão de dólares para a Shire.

"O conselho da AbbVie irá considerar, entre outras coisas, o impacto das alterações unilaterais propostas pelo Departamento do Tesouro dos EUA para regulamentos fiscais, anunciadas em 22 de setembro", disse a AbbVie.

A empresa norte-americana disse que seu conselho se reunirá em 20 de outubro para considerar a possibilidade de retirar ou modificar sua recomendação para o acordo com a Shire.

A Shire instou a AbbVie a avançar com o negócio.

"O conselho da Shire acredita que a AbbVie deve prosseguir com a oferta recomendada, nos termos acordados, em conformidade com o Acordo de Cooperação", disse a companhia nesta quarta-feira.

(Por Paul Sandle e Sarah Young)

Mais conteúdo sobre:
SAUDEABBVIESHIRE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.