Abilio Diniz venderá 2,4% da Wilkes ao Casino por US$10,5 mi

O empresário Abilio Diniz anunciou nesta segunda-feira que venderá 2,4 por cento do capital acionário da Wilkes, holding controladora do Grupo Pão de Açúcar, ao Casino, garantindo ao grupo francês assumir o controle da varejista brasileira.

Reuters

06 de agosto de 2012 | 18h28

O valor da operação, que acontecerá em 22 de agosto, será de 10,5 milhões de dólares, segundo comunicado à imprensa.

Com o exercício desta primeira opção de venda por Diniz, conforme previsto em acordo de acionistas assinado em 2006, o grupo francês elevará sua participação acionária na Wilkes para 52,4 por cento, passando a ser o sócio majoritário da companhia e concluindo o processo de transferência de controle iniciado em 22 de junho.

O empresário brasileiro ficará com os 47,6 por cento restantes, além de seguir como presidente do conselho de administração do Pão de Açúcar.

Também de acordo com o contrato, o Casino tem a obrigação de adquirir as ações vendidas por Diniz e deverá efetuar o pagamento em dois dias, a partir da data de transferência das mesmas.

"Adicionalmente, com a venda deste primeiro bloco de ações, o empresário garante o direito a uma opção de venda de um segundo bloco de ações ordinárias, correspondente à totalidade de sua participação na Wilkes", segundo o comunicado.

A segunda opção de venda poderá ser exercida no prazo de oito anos a partir de junho de 2014.

Em 22 de junho, o presidente-executivo e do conselho do Casino, Jean-Charles Naouri, foi eleito como novo chairman da Wilkes, ocupando a posição antes pertencente a Diniz.

Embora a troca de comando estivesse prevista no acordo de acionistas de 2006, a aliança teve suas bases fortemente abaladas em meados de 2011, quando Diniz tentou unir o Pão de Açúcar às operações brasileiras do Carrefour --arquirrival do Casino na França-- e permanecer como presidente do grupo, pisando no calo de Naouri.

(Por Vivian Pereira)

Tudo o que sabemos sobre:
CONSUMODINIZCASINOLEGAL*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.