Ação da RIM tem máxima de 13 meses por notícias sobre revisão

A ação da Research In Motion disparou para a máxima em 13 meses nesta segunda-feira após seu presidente-executivo afirmar que a companhia pode considerar alianças estratégicas com outras empresas após o lançamento de aparelhos que fazem uso do novo sistema operacional BlackBerry 10.

Reuters

21 de janeiro de 2013 | 19h54

Em uma entrevista a um jornal alemão nesta segunda-feira, Thorsten Heins disse que a reavaliação interna da RIM, ainda em andamento, pode levar à venda de suas operações de celulares ou o licenciamento de seu software junto a fabricantes rivais de smartphones.

"O principal agora é introduzir de maneira bem-sucedida o BlackBerry 10. Depois disso, veremos", disse Heins, segundo o jornal.

A empresa, que vai lançar sua nova linha de aparelhos em 30 de janeiro, minimizou a significância dessas declarações, afirmando que os comentários de Heins estão em linha com suas manifestações anteriores.

"Não temos nada novo para anunciar sobre nossa revisão estratégica neste momento", disse o porta-voz da RIM Nick Manning.

As declarações atiraram o papel listado em Toronto para um avanço de 17,6 por cento, e a ação fechou com alta de 10,8 por cento, a 17,41 dólares canadenses. As ações da companhia listadas na Nasdaq, que são tipicamente mais ativas, não eram negociadas nesta segunda-feira porque os mercados financeiros norte-americanos estavam fechados para um feriado público.

A RIM anunciou uma ampla revisão estratégica em maio em que esperava examinar todas as opções, de acordos de licenciamento de software até uma venda da companhia.

(Reportagem de Euan Rocha)

Mais conteúdo sobre:
TECHRIMESTRATEGIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.