Ação em Basra é momento decisivo para Iraque, diz Bush

Em Washington, presidente americano elogia ofensiva iraquiana contra milícias xiitas.

Da BBC Brasil, BBC

28 de março de 2008 | 19h10

O presidente americano, George W. Bush, afirmou nesta sexta-feira que os combates contra milícias xiitas em Basra representam um "momento decisivo na história do Iraque livre".Na Casa Branca, em Washington, Bush disse que os confrontos no sul do Iraque são também um teste de liderança para o governo do país."Este é um teste e um momento decisivo para o governo iraquiano, que apóia as ações do primeiro-ministro Maliki", afirmou."É um momento interessante para o povo iraquiano porque, para que esta democracia sobreviva, eles precisam ter confiança na habilidade do governo de proteger o povo e de ser imparcial.""A decisão de ir até Basra mostrou imparcialidade, mostrou que ele (Maliki) quer ir atrás daqueles que acredita estarem fora da lei", acrescentou o presidente americano.PrazoOs confrontos dos últimos dias no Iraque já causaram mais de 130 mortes e deixaram cerca de 350 feridos.Os combates ocorrem desde terça-feira, quando forças de segurança deram início à ofensiva em Basra, de onde a instabilidade se espalhou para Bagdá e outras cidades.Forças lideradas pelos Estados Unidos se juntaram aos combates pela primeira vez durante a noite, bombardeando posições xiitas, segundo militares britânicos.Maliki estendeu em dez dias o prazo para que as milícias xiitas em Basra entreguem as armas."Todos aqueles que têm armas pesadas ou de nível intermediário devem entregá-las a locais seguros e serão recompensados financeiramente", disse o primeiro-ministro em uma declaração divulgada nesta sexta-feira. "Isso começa no dia 28 de março e vai até 8 de abril."Nenhuma razão foi anunciada para justificar a extensão do prazo, mas o primeiro-ministro afirma que as milícias sofrerão "penas criminais severas" caso não cumpram a determinação.Menos confrontosSegundo o correspondente da BBC em Bagdá, Crispin Thorold, a declaração desta sexta-feira sugere uma mudança no tom por parte de Maliki e um esforço para conter a violência em Basra, Bagdá e outras partes do país.O primeiro-ministro está supervisionando pessoalmente a operação em Basra, que envolve cerca de 30 mil soldados e policiais combatendo militantes do Exército Mehdi, a milícia xiita liderada pelo clérigo Moqtada al-Sadr. Os confrontos no Iraque diminuíram nesta sexta-feira, depois de três dias de combates pesados, de acordo com Thorold.Um toque de recolher foi imposto durante a noite de quinta-feira na capital iraquiana, para "proteger os civis", segundo as autoridades.Nenhum veículo ou pedestre podem circular nas ruas de Bagdá sem autorização.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
iraqueestados unidoshillabagdá

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.