Michel Angelo/Divulgação
Michel Angelo/Divulgação

Ação entre amigos

Novela que estreia terça na Record retrata um grupo de 10 pessoas que ganha na loteria: como o dinheiro há de afetar cada um?

Patrícia Villalba/ RIO - O Estado de S.Paulo,

30 de abril de 2011 | 16h00

A Record, que na sua retomada da teledramaturgia já fez Vidas Opostas (2006) e Chamas da Vida (2008), estreia na terça-feira, às 22h15, uma nova novela, desta vez chamada de Vidas em Jogo. O argumento da trama assinada por Cristianne Fridman e dirigida por Alexandre Avancini, entretanto, é mais interessante e original do que o título faz supor.

Veja também:  

link 'Se eu fosse doméstica, seria igual à Marizete’

É a história de um grupo de dez amigos que jogam repetidas vezes e em conjunto na loteria. No "bolão da amizade" estão, por exemplo, os personagens de Guilherme Berenguer (Francisco) e Betty Lago (Marizete), ex-Globo e recém-contratados. Um belo dia, eles vão ganhar uma bolada acumulada de R$ 200 milhões. "Qual o preço que cada um está disposto a pagar para manter esse dinheiro? Quem vai mudar sua essência? Quem conseguirá manter seu caráter?", questiona a autora, em entrevista ao Estado.

As transformações na vida do grupo serão muitas, claro. Mas há ainda um acordo firmado entre os amigos, segundo o qual, em caso da morte de algum deles, o dinheiro não será herdado por qualquer parente, mas repartido pelo grupo. É quando mortes misteriosas começam a acontecer, e a novela ganha contornos de thriller policial. "O jogo começa depois que os personagens ganham na loteria", adianta Cristianne.

A autora explica que teve a ideia ao ver uma reportagem numa casa lotérica na qual se ouviam os sonhos dos apostadores na fila. "Neste momento pensei em escrever algo que tratasse dessa tema: a vida que muda da noite para o dia", resume.

Mas há algo na história pessoal de Cristianne que, agora dividido com o público, faz pensar sobre a relação que mantemos com o dinheiro e, quem sabe, até parece mais extraordinário que a ficção: quando ela era criança, o pai morreu justamente numa casa lotérica, vítima de um aneurisma cerebral. Com ele ainda caído ali, teve início uma constrangedora busca pelo bilhete premiado. "O que me marcou foi a invasão das pessoas atrás do suposto cartão premiado. Do que somos capazes para realizarmos nossos sonhos?"

Mais conteúdo sobre:
novelaestreia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.