Achados na Etiópia vestígios de cidades do reino de Shoá

Arqueólogos franceses acharam na Etiópia vestígios de três cidades que podiam ter sido os centros urbanos mais importantes do mítico reino muçulmano de Shoá, que até agora só se tinham notícias pelos escritos da época, informou nesta terça-feira, 27, o Centro Nacional da Pesquisa Científica (CNRS).Segundo os pesquisadores, se trata de Asbäri, Mäsal e Nora, três cidades das quais havia referências documentais, mas cuja localização exata era desconhecida, informou a instituição francesa em comunicado.São os três principais centros urbanos do reino de Shoá, que entre os séculos 10 e 16 dominou a região e controlou importantes rotas comerciais entre as planícies cristãs da Etiópia e os portos muçulmanos do Mar Vermelho e do golfo de Áden, segundo os documentos da época."Dados o tamanho e a concentração destas cidades, correspondem provavelmente a alguma das cidades muçulmanas citadas na região por fontes escritas muçulmanas, mas que até agora estavam ocultas para os arqueólogos", indicou o CNRS.A descoberta foi feita em uma região escarpada do vale de Rift, disputada na atualidade por povos locais e dedicada a pastagens, apesar de abrigar restos antigos de edificações e de áreas de agricultura em terraços.Mesquitas, casas, muralhas e outras construções foram encontradas pelos arqueólogos, que descobriram muros de vários metros de altura.O elemento mais chamativo achado na possível Asbäri é uma mesquita em ruínas relativamente bem conservada que é uma das maiores conhecidas na Etiópia, indicou o CNRS.Na cidade identificada como Masäl encontraram mesquitas e cemitérios antigos, enquanto em Nora acharam vários edifícios e plantas de uma rede de becos que conservam restos de pavimentos.Nesta última cidade, as ruínas da mesquita principal conservam muros com entre quatro e cinco metros de altura.

Agencia Estado,

27 de março de 2007 | 21h23

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.