Acidente no RJ será investigado como crime ambiental

O rompimento do tanque de uma estação de tratamento de esgoto em Niterói (RJ) está sendo investigado como crime ambiental pela Polícia Civil. Hoje, um dia depois da enxurrada de lama e dejetos que deixou 10 pessoas feridas e arrastou mais de 20 carros, funcionários da concessionária Águas de Niterói, responsável pela estação, ainda trabalhavam na limpeza de ruas, casas e estabelecimentos.

TIAGO ROGERO, Agência Estado

18 de abril de 2011 | 16h17

Peritos da delegacia de Proteção ao Meio Ambiente estiveram na estação, próxima ao Mercado de São Pedro, tradicional entreposto de pescados no bairro Ponta da Areia. Segundo o delegado Fábio Pacífico, a empresa pode ser indiciada, já que o acidente colocou em risco a saúde das pessoas - algumas chegaram a ingerir a água que vazou. "A questão agora é saber se a poluição foi culposa ou dolosa", disse.

De acordo com o diretor da Águas de Niterói, Dante Luvisotto, a empresa vai arcar com os prejuízos de moradores e comerciantes. "Em um ou dois dias deve ficar pronto o laudo com os motivos do acidente, e na próxima semana ou, no máximo, na outra, vamos começar a reconstrução do tanque", disse. Luvisotto garantiu que o serviço de tratamento de esgoto em Niterói não foi afetado.

Entre os feridos, oito foram liberados e dois transferidos, do Hospital Estadual Azevedo Lima, para o Hospital das Clínicas de Niterói, onde permanecem internados. Segundo o boletim médico, Rosival dos Santos, de 49 anos, sofreu escoriações pelo corpo e fraturou o ombro. Já Romildo Gomes de Souza, de 53 anos, está na Unidade de Vigilância Clínica para um período de observação de 24 horas depois de ter sofrido traumatismo craniano e leves escoriações. Ainda segundo o boletim, ambos não correm risco de morrer.

Tudo o que sabemos sobre:
ambienterompimentotanqueNiterói

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.