Ações da Verde Potash disparam 12% após suspensão de projeto da Vale

As ações da Verde Potash PLC dispararam 12 por cento nesta segunda-feira, uma vez que os planos da mineradora de construir uma mina de potássio no Brasil se tornaram mais atraentes por conta da suspensão do projeto da Vale de extração do nutriente na Argentina.

Reuters

18 de março de 2013 | 14h42

A meta da Verde é começar a produção de potássio em 2015 em sua mina Cerrado Verde. Atualmente, o projeto está no estágio de aquisição de licenças.

A Vale, uma das maiores mineradoras do mundo, anunciou em 11 de março a suspensão do projeto de potássio Rio Colorado, na Argentina, de 6 bilhões de dólares, o que poderia fornecer potássio ao Brasil, potência agrícola.

As ações da Verde subiram mais de 10 por cento e atingiram 2,95 dólares canadenses na Bolsa de Ações de Toronto nesta segunda-feira.

Ao impulsionar os preços das ações da Verde em cerca de 21 por cento na última semana, os investidores levaram em consideração conversas da administração da pequena mineradora Verde Potash sobre elevar a produção de seu projeto, disse a analista Andrea Rubakovic da Salman Partners.

A futura mina de potássio da empresa teria uma vantagem de transporte sobre os produtores norte-americanos em relação ao fornecimento para os compradores brasileiros.

Mas Rubakovic vê o potencial de expansão de capacidade como algo negativo, dizendo que a demanda por fertilizante na área imediatamente ao redor do projeto não é grande o suficiente para apoiar uma operação em grande escala.

Ela cortou seu preço-alvo sobre as ações da Verde para 2,75 dólares canadenses ante 5,75 dólares canadenses e deixou sua recomendação "manter".

(US$1 = 1,02 dólar canadense)

(Reportagem de Rod Nickel em Winnipeg, Manitoba)

Tudo o que sabemos sobre:
MINERIOVERDEVALE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.