Ações europeias atingem máximas em anos sob expectativa de estímulos

Os principais índices europeus de ações saltaram a máximas em vários anos nesta terça-feira, impulsionados pela quebra de importantes níveis de suporte técnico, uma série de projeções otimistas de empresas e perspectivas de continuidade de estímulos monetários de bancos centrais em escala global.

Reuters

05 de março de 2013 | 14h33

O índice das principais ações europeias FTSEurofirst 300 encerrou com alta de 1,8 por cento, a 1.189 pontos, em seu fechamento mais alto em quatro anos e meio, ficando ainda pouco abaixo da máxima intradia de 1.191 pontos registrada em fevereiro de 2011.

O Banco Central Europeu (BCE), o BC britânico e BC japonês devem manter sua postura de política monetária ultrafrouxa em reuniões nesta semana, após membros do Federal Reserve, banco central norte-americano, garantirem que seu programa de estímulo deve continuar, por enquanto.

Um rali no índice norte-americano Dow Jones para máximas históricas intradia ajudou as bolsas europeias a acelerar ganhos na parte da tarde, assim como dados mais fortes do que o esperado no setor de serviços dos Estados Unidos.

"Há muitas ações (europeias) atingindo novas máximas anuais e isso é positivo", disse o chefe de análise técnica do Aviate Global, Riccardo Ronco.

"Não estou combatendo esse tipo de informação porque é muito forte. Mas é um mercado bastante bagunçado ... Você tem de estar nos segmentos corretos".

Em LONDRES, o índice Financial Times fechou em alta de 1,36 por cento, a 6.431 pontos.

Em FRANKFURT, o índice DAX subiu 2,32 por cento, para 7.870 pontos.

Em PARIS, o índice CAC-40 ganhou 2,09 por cento, para 3.787 pontos.

Em MILÃO, o índice Ftse/Mib teve valorização de 2,78 por cento, para 15.974 pontos.

Em MADRI, o índice Ibex-35 avançou 2,15 por cento, para 8.423 pontos.

Em LISBOA, o índice PSI20 encerrou em alta de 1,95 por cento, para 6.027 pontos.

(Reportagem de Toni Vorobyova)

Tudo o que sabemos sobre:
BOLSAEUROPAFECHA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.