Acusado de sequestrar repórter da TV Globo é preso

Outros dois suspeitos são investigados por suposta participação nos arrastões no Edifício Tulipa, nos Jardins

Josmar Jozino, do Jornal da Tarde,

22 Janeiro 2009 | 08h19

Sérgio Moura da Silva, de 27 anos, conhecido como Mufamba, foi preso por policiais do Departamento Estadual de Narcóticos (Denarc), na segunda-feira. Apontado pela polícia como integrante do Primeiro Comando da Capital (PCC), ele estava foragido e com a prisão preventiva decretada por envolvimento no sequestro do jornalista Guilherme Portanova e do auxiliar técnico Alexandre Calado, da TV Globo, em 12 de agosto de 2006.   Com Silva, foram presos Weberson Silva Teodoro, de 28 anos, o Beiço, e Diego de Oliveira Jesus, de 21, o Magricela. Segundo o delegado Rubens Barazal, da Divisão de Inteligência e Apoio Policial (Diap) do Denarc, os três são investigados por suposta participação nos arrastões no Edifício Tulipa, nos Jardins, zona sul, e no Condomínio Itatinga, no bairro Pedra Branca, zona norte, há pouco menos de duas semanas.   O Denarc investigava os acusados havia três meses e chegou até eles por meio de uma denúncia. Silva, Teodoro e Jesus ocupavam um Palio com placas adulteradas, nas proximidades da Avenida Morumbi, na zona sul, às 23 horas de segunda-feira, quando foram abordados por investigadores.   O delegado contou que Silva e os parceiros usavam documentos falsos. Os criminosos também eram investigados por envolvimento em sequestros e tráfico de drogas. Barazal informou que os três rapazes foram autuados em flagrante por falsidade ideológica e uso de documento falso.   Silva tinha passagens na polícia por furto, sequestro e formação de quadrilha. Teodoro respondeu a processo por porte de entorpecente e Jesus, por tráfico de drogas. Os rapazes ficarão recolhidos em um Centro de Detenção Provisória (CDP) até o julgamento.   Barazal acrescentou também que os mesmos autores da denúncia que ajudaram o Denarc a prender os acusados informaram que Silva, Teodoro e Jesus participaram dos dois arrastões. "Ainda não temos nenhum indício do envolvimento deles nessas ações, mas estamos investigando e tentando materializar as provas", afirmou o delegado.   Em agosto de 2006, Sérgio teve a prisão preventiva decretada pela Justiça. Ele e os parceiros Edson Roberto dos Santos, de 36 anos, Fábio Renato dos Santos e Manoel Ferreira da Silva Filho, ambos de 28, foram indiciados pela Divisão Antissequestro (DAS) sob a acusação de sequestrar Guilherme Portanova e Alexandre Calado.   O repórter e o auxiliar técnico da TV Globo tomavam café numa padaria, perto da sede da emissora, no Brooklin, zona sul, quando foram abordados pelos criminosos. Os dois foram levados para um cativeiro. Calado foi libertado e obrigado a cumprir uma missão para os sequestradores: entregar a seus superiores uma fita de vídeo. Os criminosos exigiram a exibição da fita num programa em horário nobre da emissora. Caso contrário, matariam o repórter Portanova.   A direção da emissora, temendo a ameaça, decidiu atender à exigência. O vídeo foi exibido no Fantástico. As imagens mostravam um homem encapuzado e, ao fundo, numa parede, a inscrição PCC, sigla do Primeiro Comando da Capital.   No vídeo, o encapuzado reclamava da opressão aos presos e integrantes do PCC no sistema prisional paulista. Minutos depois da exibição, o repórter Guilherme Portanova foi libertado.

Mais conteúdo sobre:
prisãorepórtersequestro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.