Acusados de fraude de R$ 250 bi são julgados na China

Valor sonegado equivale a um quarto de toda a arrecadação tributária do país em 2007.

Marina Wentzel, BBC

22 Fevereiro 2008 | 11h55

Cinco homens acusados de cometerem a maior fraude registrada na história moderna da China vão a julgamento nesta sexta-feira na província de Yunnan. Os réus teriam produzido cerca de um milhão de notas fiscais frias num valor total superior a US$ 147 bilhões (R$ 250 bilhões) em uma gráfica clandestina na província de Yunnan, sudoeste do país. A quadrilha imprimia notas falsas - com o selo do governo - muito semelhantes às originais.As notas apreendidas eram tão bem feitas que até especialistas tiveram dificuldade ao identificar as que não eram verdadeiras, informou a agência de notícias estatal Xinhua. O esquema foi desmantelado em agosto de 2007, mas alguns integrantes do bando estavam foragidos até janeiro de 2008.A quantidade de notas frias era tamanha, que "seria possível lotar dois grandes caminhões com as faturas", disse Chai Jiaping, vice-diretor da secretaria de Segurança do município de Qujing.O valor sonegado - mais de um trilhão de iuans - equivale a quase um quarto de toda a arrecadação tributária da China em 2007, que foi de 4,9 trilhões de iuans segundo números do governo. DesmascaradaA fraude começou a ser desmascarada em agosto de 2007, quando a policia do distrito de Luoping encontrou quase 130 mil faturas frias em um ônibus de passageiros que ia da cidade de Xingyi, na província de Guizhou, para Kunming, capital da província vizinha Yunnan.Através da apreensão, os policiais chegaram ao endereço do consignatário das faturas, Yang Wenbin, onde outras 72 mil notas foram encontradas junto com computadores e scanners utilizados para fazer as cópias. Yang escapou. Poucos dias depois, as autoridades deram busca em uma gráfica ilegal na cidade de Xingyi onde encontraram mais 400 mil notas frias. Dois suspeitos foram presos na ação.Em setembro, os investigadores prenderam Luo Wenjie e, com ele, resgataram mais notas, no valor de 192.5 bilhões de iuans.Outros dois acusados de pertencer à quadrilha, Zhang Huilong e o já foragido Yang Wenbin, foram capturados em outubro e janeiro.No mês passado Li Linjun, porta-voz da Administração Estatal de Tributos, órgão do governo que cuida dos impostos, anunciou que o departamento está em campanha para acabar com as fraudes nesse setor.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Mais conteúdo sobre:
chinafraudejulgamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.