Adriano falta a treino, mas torcida festeja

Apesar do bom momento, os problemas no Flamengo se repetem. Depois de fazer seu 16º gol no Brasileiro, na vitória sobre o Botafogo, e manter o time na briga pelo sexto título da história, Adriano não compareceu ao treino de ontem, na Gávea. Segundo a assessoria do clube, o atacante foi liberado. O mesmo, porém, não ocorreu com os outros titulares, que fizeram treino regenerativo. Petkovic, machucado, iniciou tratamento na coxa, mas não enfrenta o Barueri, amanhã, suspenso.

, O Estadao de S.Paulo

27 de outubro de 2009 | 00h00

A torcida, no entanto, nem se incomoda com as polêmicas acerca do atacante. Ela já não contém a euforia e começa a entoar um antigo coro, da década de 80: "Deixou chegar, fica difícil segurar." E o time está justificando o otimismo com uma arrancada empolgante. São dez jogos de invencibilidade, com sete vitórias e três empates.

Já o Atlético-MG joga para ser campeão, segundo o veterano Marques, que voltou ao time no sábado após quase um ano se recuperando de cirurgia. De acordo com ele, todo o elenco acredita na possibilidade de levantar a taça. "Sabemos que serão sete finais. Estamos trabalhando duro, mas dá para chegar e buscar. Essa é a meta."

Segundo o jogador, que estava no clube em 1999 quando chegou às finais contra o Corinthians e foi vice-campeão, o espírito do grupo é semelhante. "Estamos unidos e compartilhamos o mesmo desejo."

O Internacional, apesar de entusiasmado com a possibilidade de dormir como líder provisório amanhã, quando enfrenta o São Paulo, no Morumbi, diz que não vai partir para o ataque como se estivesse diante de sua única chance. O clube estudou a tabela e concluiu que o empate pode ser um bom resultado, já que depois terá uma sequência de jogos teoricamente mais fácil que a dos rivais.

Diante da circunstância, o técnico Mário Sérgio vai manter o esquema com quatro zagueiros, dois volantes e um meia recuado, que manteve o ataque do Grêmio sob total controle no domingo, quando venceu o clássico gaúcho por 1 a 0.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.