Advogado fala que houve erro em perícia em parque

O delegado de Vinhedo (SP) Álvaro Santucci Noventa Júnior ouve na tarde de hoje os pais da adolescente Gabriella Nichimura, de 14 anos, que morreu na ultima sexta-feira, 24, após cair de um brinquedo no parque Hopi Hari. Os pais chegaram na delegacia por volta de 14 horas. Abatidos, evitaram falar com a imprensa. O advogado da família, Ademar Gomes, informou que vai requerer em juízo que o parque fique fechado por ao menos um dia em respeito aos familiares e disse que houve um equívoco durante a perícia em relação ao posicionamento de Gabriella no brinquedo chamado La Tour Eiffel.

TATIANA FÁVARO, Agência Estado

29 de fevereiro de 2012 | 17h22

Segundo a defesa, a garota sentou-se em uma cadeira supostamente interditada. No fim da tarde de hoje, dois operadores do brinquedo chegaram a delegacia para depor e, de acordo com o advogado deles, Bichir Ale Bichir Junior, a versão dos funcionários é de que a cadeira na qual estava Gabriella não poderia funcionar. "Eles estavam na hora do acidente e informaram um superior que o brinquedo não poderia operar. Aquela cadeira, no mínimo, tinha de ser interditada", afirmou o advogados dos operadores.

Segundo ele, o problema detectado pelos funcionários estava na trava e um cinto que funcionaria como segurança complementar não existia nessa cadeira. "Eles (os funcionários) não têm autonomia para parar um brinquedo. Quem tem não parou. Talvez por visar muito o lucro".

O Hopi Hari informou por meio de assessoria que reitera seu posicionamento de colaborar com os órgãos envolvidos na investigação sobre as causas do acidente. O parque não vai comentar sobre informações que envolvam o brinquedo. A versão da defesa e dos funcionários contraria a hipótese de falha humana, principal linha de investigação até o momento. O delegado vai se pronunciar após o termino dos depoimentos de hoje.

Tudo o que sabemos sobre:
Hopi Harimorteadvogado

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.