Aécio volta a cobrar de Dilma posição por escândalo na Petrobras

O candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, voltou a cobrar nesta segunda-feira uma posição da presidente Dilma Rousseff, candidata à reeleição pelo PT, por conta das denúncias de corrupção envolvendo a Petrobras.

REUTERS

08 Setembro 2014 | 14h17

Cumprindo agenda de campanha no Pará, o tucano disse que a Petrobras estava em uma área sob a qual Dilma manteve "poder absoluto" nos 12 anos do PT à frente do governo federal e reiterou que a presidente deve satisfações à população.

"As denúncias são absolutamente graves e é preciso que haja por parte da presidente da República uma posição mais clara em relação a tudo isso", disse Aécio.

"Eu não faço acusação pessoal de ela ter se beneficiado pessoalmente desses recursos, mas pelo menos o benefício político foi dado ao seu governo, por isso ela tem responsabilidade e satisfação a dar à população brasileira."

A revista Veja publicou no fim de semana supostas acusações feitas pelo ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, em um processo de delação premiada, nas quais ele afirmaria que recursos da estatal foram repassados a políticos.

"As denúncias são extremamente graves. Esperamos que outras informações possam vir. Não faço um pré-julgamento pessoal em relação à citação desse ou daquele nome. Mas o fato concreto, e quem diz isso é a Polícia Federal, existe uma organização criminosa atuando no seio da maior empresa pública brasileira", disse Aécio.

"É preciso que essas informações sejam aprofundadas e haja punição exemplar daqueles que permitiram que isso ocorresse."

(Por Eduardo Simões)

Mais conteúdo sobre:
ELEICOES2014AECIOCOBRA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.