Aereo suspende serviço de streaming após decisão de Suprema Corte dos EUA

O Aereo, serviço de streaming de vídeo que busca fornecer uma alternativa em relação a emissoras de TV tradicionais, disse neste sábado que estava suspendendo serviços depois de ter sofrido um revés da Suprema Corte dos Estados Unidos nesta semana.

REUTERS

28 de junho de 2014 | 13h59

"Na quarta-feira, a Suprema Corte dos EUA reverteu uma decisão de instância inferior em favor do Aereo, em um grande retrocesso para os consumidores", disse o presidente-executivo da empresa, Chet Kanojia, em carta aos clientes.

"Como resultado dessa decisão, nosso caso voltou para a instância inferior. Decidimos interromper temporariamente nossas operações enquanto consultamos o Tribunal e traçamos nossos próximos passos", disse Kanojia, acrescentando que os consumidores receberiam de volta a última mensalidade paga.

Em sua decisão na quarta-feira, a Suprema Corte disse que o Aereo, um serviço apoiado pelo magnata da mídia Barry Diller, violou a lei de direitos autorais ao usar pequenas antenas para transmitir conteúdo de TV online para assinantes.

A decisão foi uma vitória para emissoras tradicionais como a CBS, NBC, da Comcast, ABC, da Walt Disney, e Fox, da Twenty-First Century Fox.

Iniciado em 2012 e apoiado pelo IAC/InterActiveCorp, de Diller, o Aereo cobra em torno de 8 a 12 dólares por mês e permite o streaming de transmissões ao vivo em dispositivos móveis. O Aereo não paga as emissoras. O serviço operava em 11 cidades dos Estados Unidos.

(Por Frances Kerry)

Mais conteúdo sobre:
TECHAEREOSTREAMING*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.