Aeroporto de Campinas, em SP, é a nova rota do tráfico

Uma sequência de apreensões de drogas com passageiros do exterior levou a Polícia Federal (PF) a incluir o Aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP), na rota do tráfico internacional. Neste ano já foram nove casos - três só na primeira semana -, contra quatro no ano passado.

AE, Agência Estado

11 de maio de 2011 | 10h06

A PF atribui o aumento à retomada dos voos regulares internacionais, após quase duas décadas de interrupção. Antes de junho, quando a TAP Portugal começou a fazer três voos semanais para a Europa, não havia sido registrada nenhuma apreensão. Em dezembro, a uruguaia Pluna passou a operar seis voos por semana para Montevidéu, com conexões para Buenos Aires e Santiago. A American Airlines também entrou com pedido para operar voos em Campinas.

Em comparação com o início do ano passado, o número de passageiros triplicou, mas a estrutura da PF não acompanhou esse crescimento. Enquanto o Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos, e o Aeroporto de Congonhas, na zona sul da capital paulista, têm delegacia, o de Viracopos conta só com um posto da PF.

Um policial federal que pediu para não ser identificado contou que o único equipamento para detectar drogas é o raio X. Nas últimas apreensões, segundo ele, agentes usaram "olhômetro", ou seja, a simples observação no check-in. O serviço de internet para checar prontuários é lento e sujeito a panes. E as pessoas envolvidas nos casos são levadas para a delegacia do centro de Campinas.

O delegado Jessé Coelho de Almeida, da Comunicação Social da PF de Campinas, disse que a estrutura está sendo melhorada. "Não temos gente sobrando, mas também não está um caos." No ano passado, agentes ganharam reforço de uma cadela labradora para farejar drogas e o posto de Viracopos passou a contar com delegado titular. Segundo ele, o treinamento dos policiais supre eventual falta de equipamentos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.