Aeroportos argentinos vão retomar voos nesta tarde

A Administração Nacional de Aviação Civil (Anac) da Argentina informou hoje que parte dos voos que havia sido suspensa nesta manhã, em razão da nuvem de cinzas do vulcão chileno Peyehue-Caulle, será retomada nesta tarde. "A partir das 16 horas, no Aeroporto Metropolitano Jorge Newberry (Aeroparque), as companhias aéreas Aerolíneas Argentina, Austral e LAN Argentina reprogramam suas atividades", disse a nota da Anac distribuída à imprensa.

MARINA GUIMARÃES, Agência Estado

07 Junho 2011 | 15h31

Apesar disso, outras companhias ainda irão manter os voos cancelados. "As empresas Sol e TAM cancelaram a totalidade de seus voos para o dia de hoje, enquanto que a companhia Gol cancelou seu voo vespertino e analisa se fará o mesmo com o noturno", disse a Anac. A nota detalha ainda que a companhia Pluna também analisa a reprogramação de seus voos e recomenda aos passageiros que tinham viagem marcada para esta terça-feira que entrem em contato com suas respectivas linhas aéreas.

Hoje de manhã, todas as operações do Aeroparque foram canceladas por causa da chegada da nuvem de cinza do vulcão chileno Puyehue, localizado na fronteira entre a Argentina e o Chile. As companhias citadas na nota da Anac também cancelaram os voos que operam no Aeroporto Internacional de Ezeiza. Segundo a entidade, ambos os aeroportos já foram reabertos para o funcionamento normal.

A decisão foi tomada durante reunião da Anac com o Serviço Meteorológico Nacional (SMN) e as companhias aéreas, no início da tarde, para analisar a situação provocada pela erupção do vulcão, no sábado. De acordo com estimativas do SMN, a grande nuvem está se deslocando para o Uruguai, o que permitirá a reabertura dos aeroportos de Buenos Aires.

Em erupção desde sábado, o vulcão produziu uma densa nuvem de cinzas e areia, que prejudica a visibilidade. Os seis aeroportos das cidades da região argentina da Patagônia continuam fechados e sem previsão de reabertura.

Mais conteúdo sobre:
vulcão Chile Argentina voos aeroportos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.