Aeroportos têm poucos atrasos e cancelamentos hoje

O movimento é tranqüilo na manhã de hoje nos principais aeroportos do País. Segundo boletim divulgado pela Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero), até às 11 horas, dos 731 vôos programados, 51 apresentaram atrasos acima de uma hora, o que corresponde a 7% do total. Os cancelamentos também registraram baixos índices nesta manhã. De acordo com a Infraero, até às 11 horas, 44 vôos foram cancelados (6%).A estatal afirmou que o movimento deve começar a se intensificar a partir de hoje, ao contrário dos últimos quatro dias, quando houve redução no número de passageiros, fazendo até com que muitos vôos fossem cancelados. Os principais dias de pico de movimento devem ser nesta quinta-feira, amanhã e sábado.A estimativa da Infraero é que, por dia, passem cerca de 40 mil passageiros em aeroportos como Congonhas (SP), Brasília (DF) e Galeão (RJ). No Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, em São Paulo, o movimento ainda deve ser maior, com aproximadamente 64 mil pessoas por dia.Por enquanto, o cenário é calmo nos terminais dos principais aeroportos do País. O Aeroporto de Congonhas, na capital paulista, registrou atrasos em seis (7%) das 86 partidas programadas até às 11 horas. Já os cancelamentos atingiram 11 vôos, o que representa 12,8% do total. Já no Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, 13,5% dos vôos saíram atrasados e 3,8% foram cancelados.No Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro, dos 26 vôos programados, cinco (19,2%) foram cancelados e nenhum saiu atrasado. No Galeão, também no Rio, a Infraero informou que os atrasos atingiram 6,6% dos vôos, e os cancelamentos 9,2% das partidas programadas até às 11 horas.Em Brasília, 2% das embarcações foram afetadas pelos atrasos. Em Porto Alegre os índices de vôos com atrasos e cancelamentos foram de 7,4% e 11,1%, respectivamente. Já em Curitiba, 12,1% dos vôos foram cancelados e 3% saíram fora do horário programado.

AMANDA VALERI, Agencia Estado

27 de dezembro de 2007 | 11h26

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.