Wilton Júnior/AE
Wilton Júnior/AE

Aeroviários planejam protesto em Congonhas nesta terça-feira

Em operação padrão, categoria reivindica 15% de reajuste salarial; País tem mais de 25% de atrasos

Solange Spigliatti, Central de Notícias

06 de dezembro de 2010 | 12h36

SÃO PAULO - Os aeroviários do Estado de São Paulo planejam realizar na madrugada de amanhã, a partir das 5 horas, uma manifestação no saguão do Aeroporto de Congonhas, na zona sul da capital paulista. Segundo o presidente do Sindicato dos Aeroviários de São Paulo, Reginaldo Alves de Souza, os trabalhadores vão protestar contra a posição dos empregadores, que não querem atender suas reivindicações.

 

Veja também:

linkTripulação da TAM é suficiente, diz auditoria da Anac

tabela A situação dos voos nos aeroportos do País

 

A categoria conta com 20 mil trabalhadores e reivindica 15% de reajuste salarial. Os aeroviários negociam com os empregadores a Convenção Coletiva e têm data-base em 1º de dezembro.

 

Os funcionários das empresas aéreas iniciaram na última quinta-feira a chamada operação padrão, que tem como um dos objetivos o de pressionar as companhias por reajustes salariais.

 

Atrasos. Dos 1.261 voos nacionais programados da zero hora desta segunda-feira até as 13h, 348 (27,6%) registraram atrasos superiores a 30 minutos e 63 (5%) foram cancelados, de acordo com a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero).

 

A situação era mais crítica no Rio e cerca de metade das partidas ou chegadas atrasaram. No Galeão, dos 71 voos programados, 33 tiveram atrasos (46,5%) e no Santos Dumont, dos 75 voos previstos até as 13h, 41 foram com atraso (54,7%).

 

Durante o mesmo período, no Aeroporto de Brasília, dos 98 voos programados, 31,6% registraram atrasos. Em São Paulo, Congonhas teve 33,9% dos 109 voos com atrasos e Cumbica, 28,2% das 103 partidas e chegadas previstas com atrasos.

 

Atualizado às 13h28

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.