Hoshang Hashimi/AP
Hoshang Hashimi/AP

Afeganistão pressiona EUA por resposta sobre presença militar

País quer saber detalhadamente quem ficará na região assim que a maioria das tropas norte-americanas saírem, no fim de 2014

Reuters,

31 Março 2012 | 12h16

O Afeganistão quer que os Estados Unidos detalhem claramente que tipo de presença militar vão manter no país assim que a maioria das tropas norte-americanas deixar a região no fim de 2014, afirmou uma autoridade afegã.

Os afegãos também estão pressionando Washington em negociações sobre futuras cooperações para detalhar o que será oferecido para as forças afegãs, que se preparam para assumir a responsabilidade pela segurança em um país que ainda está em guerra.

"Esses são assuntos que nos preocupam. Queremos saber quantas bases haverá aqui, quantos soltados e qual será a missão deles. E o que vamos ganhar dos Estados Unidos para nossas forças de segurança", afirmou à Reuters o porta-voz do presidente Hamid Karzai, Aimal Faizi, sem especificar qual nível de cooperação ele acharia apropriado.

Em negociações para um Acordo de Parceria Estratégia sobre cooperação de longo prazo, um dos obstáculos é o plano norte-americano para certa presença militar assegurar que os membros da Al Qaeda e outros grupos militantes não encontrem novamente no país um reduto para as suas atividades.

Países como Rússia, China e Paquistão estão cautelosos sobre uma presença indefinida dos Estados Unidos na região. O vizinho Irã se opõe fortemente ao plano.

"No fim das contas, somos nós os responsáveis pela nossa segurança. Estamos a caminho de assumir o controle total. Se houver militares do exterior, isso tem de estar claro em um futuro documento de segurança", afirmou outra autoridade afegã.

O assunto vem à tona em um momento de crescente sensibilidade sobre a presença de tropas estrangeiras no Afeganistão, após uma série de incidentes envolvendo tropas norte-americanas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.