Afinal, quem era essa viúva? A pergunta deu um livro

A escritora americana e professora de literatura inglesa Tilar Mazzeo gostava de tomar champanhe, mas não tinha um interesse especial pelo assunto até o dia em que resolveu "investigar, afinal, quem era essa viúva". Autora do livro A Viúva Clicquot, que chega esta semana às livrarias, falou com exclusividade ao Paladar. A viúva Clicquot foi de fato tão importante na história do champanhe? Seu legado é imenso. Ela internacionalizou e deu status cultural à bebida, além de ter descoberto a remuage, técnica que permitiu acelerar a produção e ajudou a baixar o preço. Seu trânsito com a aristocracia foi determinante? Sim, ela acompanhou de perto as transformações provocadas pela revolução industrial. Além disso, o casamento de sua filha com um aristocrata se revelou ótimo negócio, pois a nobreza adorava champanhe. Quando o champanhe virou bebida de celebração? Com o fim das guerras napoleônicas, quando várias batalhas se desenrolaram na região de Champagne, qualquer batalha vencida era comemorada com o vinho local, o espumante. A moda pegou. O que mais interessou a senhora ao pesquisar a vida da viúva? Sua determinação para mudar o curso da vida. Ela poderia ter levado uma vida confortável, mas se meteu no negócio e ainda assumiu seu controle. Também foi interessante ver que ela e Jean-Rémy Moët eram grandes rivais, viviam uma intensa competição profissional.

Cíntia Bertolino,

14 Maio 2009 | 09h48

Mais conteúdo sobre:
Paladar champanhe Barbe-Nicole Clicquot

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.