Agência Espacial Brasileira atrapalhou, diz médico de Pontes

O médico da Aeronáutica Luiz Cláudio Lutiis, que faz o acompanhamento da saúde do cosmonauta brasileiro, Marcos Pontes, afirmou nesta quarta-feira que a direção da Agência Espacial Brasileira (AEB) "não ajudou no que deveria e atrapalhou no que podia" na preparação do primeiro vôo para o espaço de um astronauta brasileiro. "Se ele (Marcos Pontes) tivesse deixado as autoridades tomarem conta do programa e propiciarem a possibilidade do vôo, estaria esperando até hoje. Talvez nem treinamento tivesse feito. Infelizmente, isso é um fato", desabafou Lutiis à BBC Brasil. "O astronauta está pronto para decolar. Apesar da AEB. A direção da agência de um modo geral não estava nem um pouquinho preocupada com a possibilidade de ter um astronauta", disse Lutiis, eximindo os diretores da área científica de responsabilidade. As críticas do médico da Força Aérea Brasileira à direção da AEB não ficaram só nos preparativos para o histórico vôo de Marcos Pontes na Soyuz TMA-8. ´Isolado´Lutiis afirmou que sem a ajuda da Nasa "estaria isolado do mundo" na base de Baikonur, no Casaquistão. "Nós só estamos conseguindo manter um contato decente via internet graças à colaboração da Nasa. Isso aí é o descompasso. Não é culpa dos russos, não. É que não foi solicitado a eles e de última hora eles não vão fazer mesmo", disse o tenente-coronel médico. Para comunicar-se com o Brasil, Lutiis afirma estar usando o escritório da Nasa em Baikonur, que fica sob controle total dos americanos. Segundo ele, para ter acesso a equipamentos russos os pedidos teriam que ter sido feitos com antecedência.

Agencia Estado,

29 de março de 2006 | 10h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.