José Patrício/Estadão
José Patrício/Estadão

Agitando as massas

A rotisseria Brodo, que abre segunda no Itaim, não desmente o nome. Além das massas de fabricação caseira e do brodo (caldo) do dia para se levar, tem também azeites em vidrinhos, molhos, doces. E almoço a preços razoáveis

José Orenstein, O Estado de S.Paulo

10 Outubro 2013 | 02h21

As massas multicoloridas recém-cortadas e penduradas na vitrine da entrada e os dedos enfarinhados da chef evidenciam que ali, de fato, põe-se a mão na massa. A partir da semana que vem será possível provar o que se faz atrás dessa vitrine.

A rotisseria Brodo abre na segunda-feira, no Itaim. A casa venderá massas de fabricação caseira, além de carnes, molhos, azeites e sais aromatizados, geleias e doces - e também o brodo (um tipo de caldo) do dia. Diariamente, os clientes vão poder também almoçar ali.

A empreitada é da chef Mariana Valentini em parceria com o marido, Wal Bauer, publicitário que resolveu largar o trabalho em uma grande agência para se dedicar ao novo projeto.

Foram dez meses até achar o ponto, na Rua Comendador Miguel Calfat, onde o casal criou charmoso e agradável ambiente, cheio de lousas desenhadas a giz, vidros e azulejos brancos na parede.

A cozinheira, antes à frente da rotisseria Valentina, também no Itaim, aprendeu as técnicas na Itália, onde morou e trabalhou. Os tradicionais espaguete, fetuccine, linguini e papardele são preparados num pequeno espaço envidraçado anexo à cozinha, no fundo do salão, assim como as massas recheadas - ravióli, mezzaluna, capelete, entre outras.

Enquanto dobra e desdobra com cuidado uma folha de massa, Mariana vai contando que optou por usar apenas ovos e farinha orgânica. Para colorir e dar sabor, usa ingredientes naturais - sem corantes artificiais.

Embora a lista de pratos para viagem seja bem extensa, incluindo copa lombo e maminha na cerveja, no cardápio do almoço pode-se provar uma pequena amostra do que será possível encomendar.

Mariana diz que quer mudar a oferta de acordo com os produtos que estiverem mais frescos.

O saboroso ravióli recheado de picadinho de carne com ovo frito e couve (R$ 27; foto) é um dos destaques do menu de almoço, assim como um curioso ravióli recheado com brigadeiro, que vem crocante por ser frito, não cozido, e é servido como sobremesa (R$ 9).

No alto de um armário encostado na parede, dois garrafões com torneirinha guardam dois tipos de azeite extravirgem aromatizados com especiarias. A ideia é que os clientes possam preencher ali na hora as garrafinhas de 220 ml que serão vendidas a R$ 9. Outro garrafão ao lado guarda um limoncello caseiro.

Quando da visita da reportagem, saía da panela para o pote um vistoso doce de leite, que Mariana contou ter aprendido com a tia, Dirce, e por isso leva o nome dela. Cada vidrinho custa R$ 7.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.