Agnelli nega problemas com China e não crê em boicote

O presidente-executivo da Vale, Roger Agnelli, negou nesta sexta-feira problemas no comércio de minério de ferro com a China, afirmando que o fluxo da commodity segue normal, assim como as compras dos chineses. A mídia chinesa veiculou nos últimos dias, e novamente nesta sexta-feira , notícias de que algumas grandes siderúrgicas do país substituiriam o minério brasileiro por outras origens devido ao aumento do preço pedido pela Vale, que ficaria, segundo Agnelli, em torno de 11 por cento. "Isso tudo é oba-oba. O maior 'market share' da China é a Vale. Se parar a exportação, a siderurgia chinesa pára", afirmou Agnelli a jornalistas, acrescentando que as negociações para o aumento adicional prosseguem. Tradicionalmente as mineradoras fecham contratos anuais que estabelecem os preços do minério de ferro para todo o ano, os chamados contratos de longo prazo. Geralmente as empresas seguem os acordos fechados pelas concorrentes no início do ano. Neste ano, no entanto, essa tradição foi quebrada, depois que as anglo-australianas BHP e Rio Tinto decidiram não seguir o aumento de 65 a 71 por cento obtido pela Vale. Elas pediram mais aos chineses, alegando que gastam menos para transportar o minério produzido na Austrália, e conseguiram. Com a brusca queda nos fretes a partir da metade do ano, no entanto, a Vale decidiu buscar novo aumento fora da época normal de negociação. Agnelli afirma que a redução nos gastos com transporte compensaria a alta no preço do minério. "Na prática, o chinês não vai ter aumento. A queda no preço do frete compensa qualquer movimento da Vale... O chinês está gritando e chorando, mas não perde nada. O preço é igual". O executivo acrescentou que até o momento a empresa não recebeu nenhum comunicado formal de alguma companhia chinesa sobre interrupção no relacionamento comercial. Notícias na mídia chinesa diziam também que a Vale estaria retardando embarques de minério para a China, para pressionar pelo aumento. Agnelli respondeu de forma irônica a questionamento sobre isso. "Temos zero tonelada de minério nos nossos portos. O que você acha?". CRISE E DEMANDA Sobre a crise financeira e o eventual impacto nas empresas brasileiras, Agnelli afirmou que os reflexos podem durar algum tempo, mas que os problemas são contornáveis. Ele afirmou que a empresa está sólida após recentes captações. "Está capitalizada, com projetos em desenvolvimento, mercados bons, e custos bem... Nada mudou em termos de estratégia e visão. Nossa visão é de longo prazo, com crescimento preferencialmente orgânico", disse. "Vai ter uma solução (para a crise). Nunca vi uma tragédia pré-anunciada. A expectativa é de que as coisas se acertem. No lado real, é tirar o excesso de espuma do chopp", disse ele, acrescentando que a economia mundial passava por um desequilíbrio pela forte demanda de vários países por produtos primários. Agnelli informou que a empresa continua operando no limite da capacidade de produção e que não há sinais de enfraquecimento da demanda.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.