Agricultor deve virar administrador

Registro de todos os custos e atividades realizadas na fazenda é uma das vantagens da certificação

Chico Siqueira, O Estado de S.Paulo

03 Dezembro 2008 | 04h18

Para chegar ao álcool sustentado, os produtores cumpriram mais de 300 exigências de boas práticas ambientais, agrícolas, administrativas e sociais. As mudanças estão presentes na administração rural, com planilhas de custos, registros de volume de aplicação de agrotóxicos, fertilizantes e adubos, uso de máquinas e pessoal, e mapas de localização física georreferenciada. A mão-de-obra também mudou, pois os trabalhadores têm de ser qualificados - o Senar e Sebrae são responsáveis por isso, por intermédio de convênios - e a propriedade deve cumprir exigências sociais, como destinar convênios de saúde, ceder moradias, além de respeitar as normas de segurança e as obrigações trabalhistas. Atualmente, 62 famílias cultivam cana certificada. Na parte agrícola, as propriedades adotam medidas ambientais, como preparo e manejo de solo e controle da erosão, proteção de fontes e nascentes, reflorestamento de mata ciliar e rotação de culturas. Ainda no campo, introduziram-se técnicas de aplicação de agrotóxicos, fertilizantes e adubos e destinação correta das embalagens, além de construção correta de curvas de nível, talhões e carreadores. Detalhe: cada propriedade teve de construir ou adaptar um depósito específico para armazenar agrotóxicos. Segundo os técnicos da Assobari e da OIA, a nova situação mudou o perfil das propriedades. "O produtor está se transformando num administrador", diz o agrônomo José Reinaldo Schiavon, responsável pela gestão agroambiental e também canavicultor, mostrando as planilhas de duas propriedades, que juntas, têm 22 hectares de cana certificada. "No meu caso o protocolo ajudou na preservação de áreas naturais", diz João Batista Foloni Filho, que deve colher em agosto 64 hectares de cana certificada. Ele explica a sua opção: "A certificação é o futuro; se quisermos continuar produzindo terá de ser assim." A grande vantagem da certificação é que o agricultor terá um "produto diferenciado" e "um controle maior da propriedade". Outro destaque da fazenda é a área de mata ciliar. "Cana e mata convivem harmoniosamente", diz. A preservação da flora também é respeitada na Estância Bodoquena. "Fiz questão de isolar a área de mata", afirma Acácio Masson Filho. Ele fechou com uma cerca o acesso à mata, que fica próxima à plantação de 233 hectares de cana que pretende colher entre junho e agosto.

Mais conteúdo sobre:
sustentabilidade cana-de-açúcar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.