Agricultura tem resultado ruim e reduz PIB

Queda de 9% em relação ao mesmo período do ano passado foi a maior entre os setores da economia

Jacqueline Farid e Celia Froufe, RIO E BRASÍLIA, O Estadao de S.Paulo

11 Dezembro 2009 | 00h00

O setor agropecuário sofreu um tombo no terceiro trimestre, com o maior recuo entre todas as atividades econômicas. Em relação ao mesmo período do ano passado, a queda foi de 9% no Produto Interno Bruto (PIB), influenciada por um forte recuo na produtividade de vários itens agrícolas, segundo a gerente de Contas Trimestrais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Rebeca Palis. "Mantivemos quase que a mesma área plantada do ano passado, mas o que levou ao recuo no PIB do setor foi mesmo uma redução na produtividade destas mesmas áreas", afirmou a técnica.    

 

Veja também:

link'Se o campo vai mal, a economia não decola'

O ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, atribuiu o resultado desastroso da atividade do setor no terceiro trimestre de 2009 à queda dos preços dos produtos agrícolas. A justificativa de Stephanes, que deu entrevista coletiva à imprensa à tarde para comentar o resultado negativo do PIB, foi a de que as comparações foram feitas em momentos muito distintos da economia.

A queda na agropecuária, além do desempenho da pecuária e da silvicultura, pode ser explicada pelo desempenho de alguns produtos que têm safra relevante no trimestre. Com exceção da cana-de-açúcar, com estimativa de crescimento anual de 6,9%, as estimativas para 2009 do trigo em grão (-15,1%), do café em grão (-13,8%), da mandioca (-0,3%) e da laranja (-0,1%) apresentaram quedas em relação ao ano anterior.

Entre os destaques citados por Rebeca Palis para explicar o desempenho negativo, estão previsões de queda nas produções de itens importantes na agricultura, na comparação com as produções registradas. É o caso de trigo (-15,1%), café (-13,8%), mandioca (-0,3%) e laranja (-0,1%), cujas estimativas negativas de produção já tinham sido reveladas pelo IBGE durante a divulgação da estimativa de safra de outubro.

Em contrapartida, ela lembrou que há uma previsão de forte aumento na produção de cana-de-açúcar (6,9%) em 2009 ante 2008, também mostrada pelo levantamento. Além da queda forte em relação ao terceiro trimestre de 2008, o IBGE revelou recuo de 2,5% em relação ao segundo trimestre.

Os resultados do setor foram muito mais críticos do que os do PIB geral do País, que mostrou retração de 1,2% no mesmo período do ano passado e crescimento de 1,3% na comparação do terceiro com o segundo trimestre de 2009.

Os números negativos vieram dentro das expectativas da presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil, senadora Kátia Abreu (DEM-TO). "Os números não trouxeram surpresa para o setor. O que fez o PIB cair foi a redução de 10 milhões de toneladas de grãos de 2008 para 2009, passando de aproximadamente 144 milhões de toneladas para perto de 134 milhões de toneladas", disse a senadora.

Ela argumentou que a safra é medida quando é plantada "e só se planta uma vez por ano". Mas voltou a destacar a expectativa para a safra de grãos em 2010, quando deve somar cerca de 140 milhões de toneladas. "Não é um volume próximo ao recorde (144,1 milhões de toneladas na safra 2007/2008), mas acredito que possamos compensar a queda do ano passado e voltar a crescer."COLABOROU ALESSANDRA SARAIVA

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.