Agrotóxico: software avalia risco ambiental

Programa sistematiza e calcula impacto da aplicação em áreas com diferentes tipos de solo e temperatura

Fernanda Yoneya, O Estado de S.Paulo

26 Novembro 2008 | 02h08

Após dois anos de trabalho, está em fase final de desenvolvimento um software capaz de avaliar riscos ambientais de agrotóxicos. O programa, que deve estar pronto até o fim do ano, será útil sobretudo para profissionais dos Ministérios da Agricultura, do Meio Ambiente e da Saúde, órgãos responsáveis pela análise e liberação de registro de agrotóxicos, explica o engenheiro agrônomo Cláudio Aparecido Spadotto, pesquisador da Embrapa Meio Ambiente. Além da Embrapa Meio Ambiente, participam do projeto a Unesp e a Faculdade de Tecnologia (Fatec), ambas de Botucatu (SP).Segundo Spadotto, esse tipo de avaliação já é feito no mundo inteiro, mas, no Brasil, faltava uma ferramenta que avaliasse esses riscos considerando as condições de solo e clima próprias do País. "Costuma-se usar programas importados, mas que não foram desenvolvidos especificamente para as nossas condições", diz, lembrando que temperatura e tipo de solo interferem, diretamente, na aplicação de agrotóxicos. "O software avalia o risco do agrotóxico, que inclui o perigo e a exposição ao produto. É uma ferramenta útil na tomada de decisões."O usuário do software, explica o pesquisador, insere dados do agrotóxico - estes já vêm com o produto -, e as variáveis que ele pretende avaliar, como propriedades físicas do solo ou regime de chuvas. A partir da combinação escolhida, o programa calcula o risco que o produto pode oferecer, como lixiviação (perda da fertilidade do solo). "É possível estimar se o produto vai atingir o lençol freático e em que concentração." Os cenários, ou combinações, possíveis de serem avaliados pelo programa são infinitos, conforme Spadotto.De acordo com o pesquisador da Embrapa, o software atende ao Decreto 4.074, de 2002, da Lei 7.802, de 1989, a lei federal do agrotóxicos. "A lei diz que devem ser elaborados rotinas e procedimentos visando à implementação da avaliação de risco de agrotóxicos e produtos afins", afirma.Concluído, o software, que terá uso gratuito, será distribuído e poderá ser baixado no site da Embrapa, adianta o engenheiro agrônomo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.