Águas-vivas atacam 140 pessoas em Praia Grande-SP

De acordo com a assessoria de imprensa da prefeitura, foram registrados 81 casos em adultos e 59 em crianças

Rejane Lima, da Agência Estado,

29 de dezembro de 2007 | 13h19

Queimaduras provocadas por águas-vivas atingiram 140 pessoas em Praia Grande, na Baixada Santista. De acordo com a assessoria de imprensa da prefeitura, foram registrados 81 casos em adultos e 59 em crianças nos prontos-socorros da cidade, entre sexta-feira, 28, e este sábado, 29. As praias que mais registraram a presença da espécie marinha foram Gulhermina, Aviação e Ocian.O secretário adjunto de saúde do município, Adriano Bechara, informou que 95% dos casos não foram graves, e que os 5% restantes são de pessoas alérgicas. No entanto, nenhuma vítima teve choque anafilático, a maior preocupação nesses casos. A orientação médica é que ao entrar em contato com águas-vivas, as pessoas não tentem se medicar sozinhas e sigam diretamente para o pronto-socorro.   Trânsito   No Sistema Anchieta-Imigrantes, segundo a Ecovias, concessionária que administra o sistema, desde a 0 hora de quinta-feira, 27, quando teve início a contagem para o feriado de ano novo, 330.428 mil veículos desceram a serra.   O acidente que envolveu três carretas e um carro e deixou duas vítimas graves aconteceu na pista leste da rodovia Cônego Domenico Rangoni (sentido Guarujá), mas acabou refletindo no trânsito de quem descia pela via Anchieta. Às 13h, a Ecovias registrava 14 quilômetros de congestionamento na Imigrantes e nenhum ponto de lentidão na Anchieta.   Na rodovia Padre Manoel da Nóbrega, o tráfego permanecia lento entre os quilômetros 277 e 292, onde a Ecovias implantou a operação litoral Sul, invertendo o sentido de direção de uma faixa da pista leste, fazendo-a operar em direção à Praia Grande.

Tudo o que sabemos sobre:
Praia Grande

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.