Águia pré-histórica caçava ancestral humano, sugere estudo

Uma nova pesquisa científica sugere que aves de rapina pré-históricas fazia algumas refeições à base de ancestrais da raça humana. Cientistas tiraram essa conclusão depois de estudar mais de 600 ossos de macacos modernos. Foram coletados ossos encontrados debaixo de ninhos de águias coroadas na floresta Tai, da Costa do Marfim. Uma águia coroada adulta pode pesar até 6 kg.Furos e arranhões em muitos dos crânios de macaco levaram alguns pesquisadores a repensar quais os predadores que caçavam os ancestrais da humanidade, disse o principal autor do trabalho, W. Scott McGraw. "Parece que aves de rapina foram uma pressão seletiva na evolução dos primatas por muito tempo", disse ele. "Antes deste estudo, eu pensava que as águias não contribuiriam muito com a taxa de mortalidade de primatas na floresta. Estava errado".Os resultados podem ter implicações importantes no mistério da morte de um ancestral humano que viveu há 2,5 milhões de anos. Arqueólogos descobriram o crânio de uma criança de pouco mais de três anos, semelhante a um macaco, numa caverna da áfrica do Sul, em 1924, Pesquisadores acreditavam que essa criança, chamada criança de Taung (da espécie Australopithecus africanus) havia sido morta por um felino. Mas McGraw disse que o furo no crânio do australopiteco se assemelha bastante com os furos encontrados nos macacos vitimados pelas águias."Águias deixam puros feitos pelo bico ou pelas garras que são muito peculiares, ao redor da face e das órbitas. O crânio da criança de Taung tem o mesmo tipo de marca".O estudo está publicado online no Journal of Physical Anthropology.Arqueólogos acreditam que o bebê Taung pesava cerca de 12 kg. McGraw afirma que os cientistas acreditam que um pássaro do tamanho da águia coroada moderna poderia ter matado o hominídeo. "Muitas pessoas pensam que uma águia desse tamanho não teria força para alçar vôo com um primata do tamanho da criança de Taung", explica McGraw. "Mas essa é uma questão irrelevante, porque as águias não caçam e matam desse jeito. Elas geralmente desmembram a presa no local, e carregam pedaços da carcaça para o ninho".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.