Airbus da TAM teria revisão na noite do acidente

O diretor de Segurança da TAM, Marco Aurélio Castro, disse à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Crise Aérea, na Câmara, que o avião que bateu no prédio da TAM Express, dia 17 de julho, no Aeroporto de Congonhas, teria uma revisão na noite do acidente. Ele afirmou ainda que a pista de Congonhas é atípica e que não se desce nela com o co-piloto no comando, e o mesmo ocorre nos aeroportos do Rio de Janeiro e de Ilhéus, na Bahia, por uma questão de segurança. A deputada Solange Amaral(DEM-RJ) perguntou se durante o pouso é possível voltar com as manetes para a posição neutra. O diretor da TAM respondeu que sim, e que não haveria problema. A mesma deputada pediu que o diretor da TAM falasse sobre segurança e conforto dos passageiros. Marco Aurélio Castro respondeu que os bancos são ergométricos e há uma grande preocupação da companhia com o conforto. "O avião é homologado para transportar um número definido de passageiros", disse o executivo da TAM.

MILTON F.DA ROCHA FILHO, Agencia Estado

14 de agosto de 2007 | 12h55

Tudo o que sabemos sobre:
vôo 3054CPI do Apagão Aéreo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.