Al Qaeda alerta Hollande contra resgate de reféns franceses

Um líder do braço da rede Al Qaeda no norte da África ameaçou neste sábado matar seis cidadãos franceses que mantém como reféns se a França realizar qualquer tentativa de resgatá-los.

Reuters

20 de outubro de 2012 | 12h32

O presidente da França, François Hollande, está pressionando duramente por uma ação militar contra militantes ligados à Al Qaeda no Mali, para esmagar o que ele considera ser um risco crescente de eles lançarem um ataque a território francês, disseram fontes diplomáticas no início da semana.

Em sua primeira declaração desde que se tornou o chefe da Al Qaeda no Magreb Islâmico, no começo do mês, Yahya Abu Hammam disse que Hollande vem elevando a retórica contra o grupo.

"Ele prometeu a seu povo libertar os reféns sem negociações com os jihadistas (combatentes islâmicos)", disse Hammam, em entrevista publicada pela agência de notícias da Mauritânia, a ANI.

"Quero enviar uma mensagem aos parentes dos reféns franceses que estão conosco: a decisão de guerra que Hollande parece ter adotado significa que ele assinou a execução deles e ele deve ser responsabilizado por essas decisões."

Sete trabalhadores da empresa francesa Areva foram capturados no norte do Níger em 2010. Três deles foram libertados. Dois outros franceses foram feitos reféns no Mali em novembro.

(Reportagem de Asma Alsharif em Jidá e Laurent Prieur em Nouakchott)

Tudo o que sabemos sobre:
ALQAEDAHOLLANDEREFENS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.