Al Qaeda cresce na fronteira afegã-paquistanesa, dizem EUA

A Al Qaeda parece estar ampliandosua influência entre grupos militantes islâmicos na região dafronteira do Afeganistão com o Paquistão, oferecendo dinheiro,treinamento e outras ajudas, dizem especialistasnorte-americanos. A facção de Osama bin Laden, que há mais de um ano vemreconstituindo seu espaço no Paquistão, assumiu um papelimportante na recente iniciativa do Taliban e de outros gruposradicais para coordenar suas operações no Afeganistão ePaquistão. "Estamos vendo um aumento na cooperação entre osinsurgentes [afegãos] e também os terroristas liderados pela AlQaeda. Eles estão ampliando sua coordenação", disse naterça-feira o general norte-americano David Rodriguez,comandante das forças da Otan no leste do Afeganistão. "Eles estão fertilizando mutuamente suas táticas, técnicase procedimentos, e também novamente obtendo recursosprincipalmente da Al Qaeda, que é o ator central na equação doterrorismo", disse ele a jornalistas, falando do Afeganistãopor teleconferência. Soldados dos EUA e forças locais se uniram no final de 2001para derrubar o regime Taliban, mas a violência nos insurgentesrecrudesceu nos últimos dois anos. Em 2007, cresceu também a atividade dos militantes nafronteira com o Paquistão, país que tem armas nucleares e ondeatentados suicidas vêm matando centenas de pessoas, inclusive aex-primeira-ministra Benazir Bhutto. Vários analistas vinculam a situação do Afeganistão à doPaquistão. "Sempre foi assim. O fato é que levamos o Talibanpara o Paquistão, junto com outros elementos islâmicos", disseAnthony Cordesman, do Centro de Estudos Estratégicos eInternacionais.

DAVID MORGAN, REUTERS

26 de fevereiro de 2008 | 19h06

Tudo o que sabemos sobre:
QAEDAFRONTEIRA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.