Alckmin: Adiar reajuste de água não é ato eleitoreiro

Durante a entrega de veículos escolares, anúncio de obras e liberação de recursos na região de Franca (SP) nesta segunda-feira, o governador Geraldo Alckmin negou que o adiamento no reajuste da conta de água tenha relação com a eleição deste ano. "Isso não é um ato eleitoreiro", disse.

RENE MOREIRA, ESPECIAL PARA AE, Agência Estado

21 Abril 2014 | 19h05

O aumento, que valeria para os consumidores atendidos pela Sabesp e entraria em vigor agora, acabou adiado e pode vigorar somente a partir do final do ano. Entretanto, segundo o governador, esta questão não tem ligação com o governo estadual, mas sim com a própria empresa, já que caberia a ela o momento de aplicar a revisão tarifária.

"Não tem nada a ver com reeleição", garantiu Alckmin, que deve concorrer para continuar à frente do Palácio dos Bandeirantes. A Sabesp foi autorizada pelo órgão regulador do setor a subir em 5,4% o valor da conta de água, porém, já avisou os acionistas que este índice deverá ser aplicado somente em dezembro, coincidentemente, após a eleição de outubro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.