Alckmin anuncia a contratação de 59 mil professores

O governo de São Paulo contratará 59 mil professores, anunciaram nesta sexta-feira o governador Geraldo Alckmin (PSDB) e o secretário da Educação, Herman Voorwald. Segundo a Secretaria Estadual de Educação, essa é a maior contratação já feita pelo Estado. A previsão é que o edital do concurso público saia ainda neste ano e parte dos professores comece a lecionar já em 2014.

GABRIELA VIEIRA, Agência Estado

05 de julho de 2013 | 16h22

Em nota, a pasta divulgou também mudanças no processo de contratação dos docentes. O curso de 360 horas (pouco mais de quatro meses) de formação preparatória na Escola de Formação e Aperfeiçoamento (Efap), que era feito antes de o professores assumirem o cargo, passará a fazer parte de um período de estágio probatório - com os docentes já em sala de aula. A alteração tem como objetivo agilizar o início do trabalho dos novos contratados.

Ainda de acordo com a pasta, a contratação "reforça a política da (Secretaria de) Educação pela ampliação do quadro de docentes efetivos e pela redução de temporários". Com o mesmo objetivo, a secretaria anunciou ainda uma alteração para os professores estaduais já contratados.

Fica permitido para esses profissionais o acúmulo dos cargos efetivo e temporário. A novidade permite, por exemplo, que um professor contratado atue também como substituto. De acordo com a alteração, se quiser, o docente pode aumentar a carga horária de acumulação para 65 horas semanais, cerca de 13 horas por semana. De acordo com dados do governo, a rede estadual de educação conta com 231 mil professores, sendo que 181,5 mil são efetivos ou estáveis. O último concurso para a contração de professores pelo Estado de São Paulo aconteceu em 2010.

Mais conteúdo sobre:
professoresAlckminSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.