Alckmin anuncia fim da taxa de adesão do Sem Parar

O governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, anunciou nesta segunda-feira o fim da cobrança de taxa de adesão para o serviço de pedágio eletrônico Sem Parar. Também foram anunciadas a redução no valor da mensalidade do serviço e a criação de um plano pré-pago. As alterações passam a valer a partir de 15 de junho.

BEATRIZ BULLA, Agência Estado

28 Maio 2012 | 17h22

Atualmente, a taxa de adesão custa R$ 66,72 e as mensalidades custam R$ 11,90 e R$ 15,76, dependendo do plano escolhido. Com as mudanças, além da taxa zero de adesão, a mensalidade passa para R$ 8. Também não será mais cobrada a taxa de R$ 39,97 de transferência de etiqueta eletrônica, conhecida como tag, nos veículos. A operadora está lançando também um plano pré-pago, pelo qual o usuário realiza carga mínima de R$ 25 e taxa de recarga de R$ 4.

Além da Sem Parar, outra operadora vai disponibilizar os mesmos serviços, a DBTrans. A DBTrans teve a autorização para implantação do sistema emitida hoje e tem prazo de 90 dias para a conclusão do processo nas 144 praças de pedágio do Estado. "É uma boa notícia porque estamos abrindo o mercado para que várias empresas possam participar do pedágio eletrônico. A ideia é reduzir todos os custos para que a maioria dos usuários tenha o tag e o acesso ao pagamento eletrônico dos pedágios", disse o governador, em nota distribuída à imprensa.

A DBTrans vai oferecer três planos. No Auto Expresso Livre, que é pré-pago, o usuário paga R$ 57,12 de adesão e taxa de recarga de R$ 6. O plano pós-pago é chamado Auto Expresso, e terá adesão no mesmo valor, além de mensalidade de R$ 6. O terceiro plano, para caminhoneiros, funcionará com um vale pedágio por meio do tag.

Os preços podem baixar ainda mais. Ainda este ano, novas operadoras devem iniciar a prestação de serviço em São Paulo, segundo expectativa da Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp).

A partir de janeiro de 2013, uma nova tecnologia de tag deve começar a ser implantada em São Paulo, o que pode reduzir ainda mais os custos do pedágio eletrônico. Hoje, a etiqueta eletrônica utilizada tem tecnologia de 5,8 GHz. O equipamento futuro, mais barato e moderno, usa a tecnologia 915 MHz. Os tags 5,8 GHz devem ser usados só até novembro de 2014.

Mais conteúdo sobre:
estradas Sem Parar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.