Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Andre Lessa/AE
Andre Lessa/AE

Alckmin anuncia mais 25 mil professores efetivos para 2012

Metade dos que lecionam na rede de São Paulo não é concursada; antes de dar aulas, docentes farão curso

Luciana Alvarez, O Estado de S.Paulo

11 de fevereiro de 2011 | 00h00

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) anunciou ontem, em visita a uma escola no Jaguaré, a contratação de 25 mil novos docentes efetivos. Eles devem começar a atuar em 2012. "Esses professores serão concursados e efetivados. Serão chamados no primeiro semestre, farão o curso de formação de professores no segundo, e o ano que vem já começa com mais 25 mil professores efetivos a mais", afirmou.

Em 2010, lecionaram na rede estadual 116 mil docentes efetivos e 102 mil temporários, sendo que 73 mil desses têm estabilidade - 12 horas de aula por semana garantidas por lei.

Segundo o governador, a contratação visa a diminuir a quantidade de temporários. Desde 2004 não eram efetivados tantos professores de uma só vez.

Serão convocados professores aprovados na primeira fase do concurso público de março passado. Antes de serem nomeados, devem participar de quatro meses de um curso a distância e ser aprovados em exame. Durante o curso, receberão uma bolsa de R$ 1,3 mil.

A primeira turma de concursados a passar pelo curso da Secretaria da Educação entrou na rede estadual neste ano. Das 10.083 mil vagas, 9.304 foram preenchidas. Segundo a secretaria, sobram vagas porque muitos dos convocados desistiram de fazer o curso ou não foram aprovados.

Alckmin visitou a Escola Estadual Henrique Dumont Villares para marcar o primeiro dia do ano letivo. O governador deu aula inaugural sobre o corpo humano para 25 alunos do 4.º ano.

Novas regras. A atribuição de aulas - processo pelo qual os professores temporários escolhem as classes e as escolas onde vão lecionar - teve um novo modelo neste ano. A opção foi feita diretamente nas escolas, em vez de ser centralizada nas Diretorias de Ensino (órgão que agrupas as escolas de uma mesma região).

Pela nova fórmula, os professores com mais tempo de casa tiveram prioridade em escolher tanto disciplinas de sua formação específica, como "disciplinas correlatas". Isso significa, por exemplo, que um docente de matemática há mais tempo na escola pode pegar aulas de física, mesmo havendo docentes de física interessados na vaga.

Segundo a secretaria, com a forma atual "é possível analisar a melhor forma de distribuir as aulas aos professores da casa".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.