Alckmin fecha em Nova York empréstimo de US$ 300 milhões

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), assinou nesta terça-feira em Nova York um contrato que vai liberar US$ 300 milhões em parceria com o Banco Mundial para financiar 12 obras em rodovias estaduais que não foram concedidas à iniciativa privada.

ALTAMIRO SILVA JÚNIOR, CORRESPONDENTE, Estadão Conteúdo

11 Novembro 2014 | 19h29

O contrato foi assinado na tarde desta terça na sede do banco espanhol Santander na cidade, com representantes da instituição e do Banco Mundial. As obras vão exigir investimentos de R$ 595 milhões. Ao todo, 351 quilômetros de rodovias vão ser duplicadas ou modernizadas no Estado, em 26 municípios, que incluem estradas na região de Rio Claro, Presidente Prudente e São José do Rio Preto.

"Este projeto é importante, porque estas rodovias que vão ser duplicadas, modernizadas, ampliadas, elas chegam à hidrovia Tietê-Paraná, então integram o modal hidroviária às ferrovias, aos aeroportos. Integram os vários modais de transporte do Estado, melhorando a logística, reduzindo o custo Brasil", afirmou o governador a jornalistas brasileiros após a cerimônia. "Temos uma malha muito grande de rodovias e é nesta malha não concessionada que queremos colocar o mesmo padrão da concessionada", completou.

As obras devem ser iniciadas em 2015. "Os projetos das rodovias estão praticamente concluídos. Assinados hoje os contratos, nós iniciaremos os processos licitatórios", disse o governador.

O empréstimo tem prazo de 20 anos. A subsidiária do banco espanhol Santander nos Estados Unidos foi a vencedora em uma concorrência internacional para a operação, oferecendo os juros mais baixos, de acordo com o secretário estadual da Fazenda, Andrea Calabi. Os juros pagos pelo governo serão a variação do dólar mais 2,23% ao ano.

Segundo Alckmin, o governo paulista costumava tomar recursos pagando a variação do dólar mais 4,5% ao ano. Por isso, a economia de juros será de US$ 120 milhões. Para conseguir a taxa menor, a Agência Multilateral de Garantia de Investimento (Miga, na sigla em inglês), do Banco Mundial, deu a garantia ao empréstimo, com risco "AAA".

O governador destacou que este tipo de estrutura pode ser novamente usada pelo Estado. Miguel Navarro, um representante do Banco Mundial na cerimônia, disse que foi a primeira vez que uma operação assim, com garantia de risco de crédito da Miga, foi feita no Brasil.

Almoço

Na agenda do governador em Nova York, Alckmin participa nesta quarta-feira, 12, de um almoço na Câmara de Comércio Brasil/Estados Unidos, onde vai falar para empresários norte-americanos e apresentar potenciais projetos de investimento no Estado de São Paulo, de acordo com sua assessoria.

Mais conteúdo sobre:
Alckmin Banco Mundial empréstimo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.