Álcool industrial foi responsável por síndrome que causou 22 mortes

As autoridades de saúde do Panamá confirmaram que um álcool de uso industrial foi o causador da síndrome de insuficiência renal aguda que provocou 22 mortes. O Ministério da Saúde (Minsa) e a Caixa de Seguro Social (CSS) afirmaram em comunicado que traços de dietilenoglicol, um álcool de uso industrial, foram encontrados em quatro remédios consumidos pelos afetados pela síndrome.A substância, imprópria para o consumo humano, foi encontrada em xaropes e em pasta d´água. A descoberta confirma que a doença não é infecto-contagiosa, segundo o Minsa e a CSS. O Lisinopril Normon, remédio fabricado na Espanha, que havia sido preventivamente retirado do mercado, voltou a ser liberado. Exames na Universidade do Panamá e nos laboratórios da Administração Federal de Alimentos e Drogas (FDA) dos Estados Unidos não revelaram problemas.As autoridades de saúde remeteram ao Ministério Público panamenho os resultados das provas realizadas por laboratórios especializados no Panamá e nos EUA para suas investigações sobre o caso. Até o momento, o total de afetados pela síndrome chega a 58 pessoas, 32 delas hospitalizadas. As mortes chegam a 22. As principais manifestações da doença são problemas urinários, náuseas, diarréia e vômitos, em pacientes com diabetes, insuficiência renal e hipertensão arterial, acima de 60 anos.

Agencia Estado,

17 de outubro de 2006 | 01h45

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.