Alemães compram jornais nazistas reimpressos

Projeto atraiu críticas de organizações judaicas, que temem que as reproduções sejam usadas por neonazistas

AP,

22 Janeiro 2009 | 16h14

Uma manchete proclamando "Enorme fogo no Reichstag" saudou os alemães nas bancas de jornal nesta quinta-feira, 22, e, embora a história tenha mais de 70 anos, as pessoas estão comprando. Veja também: Jornal nazista volta às bancas na Alemanha Dieter Grosse, que tem uma banca de jornal na estação Friedrichstrasse de Berlim, disse que vendeu cerca de 600 exemplares do Zeitungszeugen - uma nova publicação que republica jornais da era nazista - desde a primeira edição, no dia 8 de janeiro.  Mas o projeto atraiu críticas de organizações judaicas e de representantes do Estado da Baviera, que temem que as reproduções sejam usadas por neonazistas.  Stephan Kramer, secretário do Conselho Alemão de Judeus, argumenta que o projeto é perigoso porque o contexto histórico impresso juntamente com as páginas originais dos jornais não é forte o suficiente para evitar abusos extremistas.  "Essas cópias não são nada mais que exemplos para os neonazistas, e eu não acredito que eles deveriam ter permissão de venda", disse Kramer.  Zeitungszeugen, um jogo de palavras com as palavras em alemão para "jornal" e "testemunha", se concentra em jornais dos anos em que os nazistas estiveram no poder - entre 1933 e 1945.  A segunda edição desta quinta-feira, 22, traz uma reprodução da capa do dia 1° de março de 1933 do jornal nazista Voelkischer Beobachter, que inclui uma coluna do chefe da propaganda nazista, Joseph Goebbels, culpando os comunistas por terem ateado fogo ao parlamento nacional, o Reichstag. Adolf Hitler pôde consolidar seu poder com esse evento.  Zeitungszeugen inclui uma série de publicações da extrema esquerda à extrema direita, e traz ainda comentários e análises de historiadores para explicar seus significados.  Kesslin Nowak, que está estudando para se tornar uma professora de história, disse que as publicações seriam uma ferramenta interessante de ensino. "Eu penso que é interessante poder mostrar aos alunos com esse jornal como os originais realmente se pareciam", disse.  A editora londrina Albertas Limited diz que o jornal deve fornecer uma visão histórica dos eventos que levaram à Segunda Guerra Mundial. A editora acrescenta que o projeto foi pensado para coincidir com o 60° aniversário da fundação da Alemanha Ocidental e com o 20° aniversário da queda do muro de Berlim.  No entanto, representantes do Estado da Baviera disseram que irão tomar ações legais para bloquear a publicação das edições futuras, dizendo que elas violam o copyright e a lei que proíbe a exibição de qualquer símbolo nazista, a não ser que por motivos científicos ou educacionais.

Mais conteúdo sobre:
jornalnazismoalemanha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.