Alga nori dá um gostoso salgadinho

Alga – ou verdura do mar, para chamá-la de um modo mais respeitoso – é dura de vender. Muitos de nós comemos saladas de algas nori ou sushis enrolados nelas, mas não costumamos ir muito além disso. Não vou me meter na questão de seu valor para a saúde, há um batalhão de defensores. Mas procuro achar novos modos de utilizá-la por uma razão singela: gosto muito de comer algas. Veja também:  Receita de chips de nori crocante  Mark Bittman ensina a preparar os chips de nori crocante (dublado)  Mark Bittman ensina a preparar os chips de nori crocante (em inglês) A nori é vendida, em pacotes, desidratada e prensada. Há uma tradição no Japão, Coreia e outros lugares de comer porções de nori praticamente pura, apenas assada, como um salgadinho, uma espécie de alternativa para a batata frita. Ela é delicada o suficiente para ficar crocante mesmo se for apenas levemente tostada no forno. Não tem praticamente nenhuma caloria e, como a batata frita chips, quando temperada generosamente com sal fica irresistível e deliciosa. Se você pincelar a alga com água, de leve, antes de assá-la, ela ficará ainda mais crocante e o sal se fixará melhor (mas cuidado para não exagerar, se puser água demais a delicada nori vai ficar negra e encolher). A água atua como uma cola, com isso você pode dobrar a alga em duas para que o chips ganhe densidade. O sal ficará encapsulado entre as folhas (se gostar, experimente salpicar também com sementes de gergelim). Basta tostá-la por cerca de 15 minutos em forno bem baixo. O resultado é um salgadinho enrugadinho, que muda de cor. Costumo servir o chips de nori como aperitivo, com um pouco de óleo de gergelim. Outra ideia interessante é servi-la em pedacinhos para acompanhar sopas e saladas. Ou ainda como uma alternativa bem mais saudável (e igualmente viciante) para a batata chips.

Mark Bittman, O Minimalista, do The New York Times,

15 Outubro 2009 | 11h22

Mais conteúdo sobre:
Paladar Mark Bittman O Minimalista alga nori

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.