Alta do dólar empurra Braskem para o prejuízo no 3o tri

A Braskem, maior petroquímica da América Latina, sofreu um forte prejuízo no terceiro trimestre, impactada por efeito negativo de 1,351 bilhão de reais gerado pela valorização do dólar em seus resultados financeiros. A companhia informou ainda que vai reduzir produção de alguns produtos no quarto trimestre para se adequar à demanda. A Braskem fechou os três meses encerrados em setembro com prejuízo de 849 milhões de reais ante lucro líquido de 132 milhões de reais do terceiro trimestre de 2007. "O efeito da desvalorização do real em 20,3 por cento sobre a exposição líquida da Braskem ao dólar impactou negativamente o resultado financeiro da companhia em 1,351 bilhão de reais no terceiro trimestre. Esse efeito foi o principal fator para o prejuízo", informou a Braskem em comunicado ao mercado nesta quarta-feira. Como comparação, no terceiro trimestre de 2007, a Braskem teve um efeito positivo de variação cambial de 191 milhões de reais. Diante do impacto da valorização, o resultado financeiro líquido teve despesa de 1,6 bilhão de reais no terceiro trimestre, um salto ante a despesa de 68 milhões de reais de um ano antes. No segundo trimestre, a empresa teve receita financeira de 407 milhões de reais. A companhia informou que diante da queda de preços dos produtos petroquímicos nos mercados internacionais e da redução do volume de negócios no exterior, vai reduzir produção das unidades de insumos básicos, polietileno e polipropileno nos últimos três meses do ano. O objetivo é "adequar as suas operações no mercado externo à demanda atual, preservando-se os compromissos já assumidos de exportação", informou a Braskem no comunicado sem informar detalhes. A geração de caixa medida pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) somou 683 milhões de reais, uma queda frente ao resultado apurado no terceiro trimestre do ano, de 755 milhões de reais. A margem Ebitda recuou de 16,3 para 13,6 por cento no período. O resultado foi pressionado por um aumento nos custos da nafta, matéria-prima de muitos produtos da companhia. A Braskem informou que no terceiro trimestre a demanda por resinas termoplásticas no Brasil cresceu 6 por cento em relação ao mesmo período do ano passado e apresentou redução de 3 por cento em relação à demanda registrada no trimestre anterior. Com isso, a receita líquida alcançou 5 bilhões de reais, crescimento de 9 por cento sobre o terceiro trimestre de 2007. Mas o custo com produtos vendidos também avançou, 13 por cento, na mesma comparação, impactado pelo aumento de 527 milhões de reais nos custos com nafta. (Por Alberto Alerigi Jr.)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.