Alta do IGP-10 acelera para 1,01% em maio--FGV

O Índice Geral de Preços-10 (IGP-10) registrou elevação de 1,01 por cento em maio, após alta de 0,70 por cento em abril, influenciado principalmente pelos preços no atacado, informou nesta quinta-feira a Fundação Getulio Vargas (FGV).

REUTERS

17 Maio 2012 | 08h51

No acumulado do ano, o índice registra alta de 2,11 por cento e, em 12 meses até maio, a inflação pelo IGP-10 ficou em 3,90 por cento.

Entre os componentes do IGP-10, o Índice de Preços ao Produtor Amplo-10 (IPA-10) subiu 1,21 por cento, ante alta de 0,76 por cento em abril.

Os preços de Bens Finais tiveram alta 0,76 por cento em maio, ante 0,63 por cento em abril. Segundo a FGV, a elevação foi influenciada pelo subgrupo alimentos processados, cuja taxa passou de 0,67 por cento para 1,50 por cento no período.

Entre os Bens Intermediários, houve aceleração dos preços para uma alta de 1,62 por cento, frente à taxa de 0,82 por cento verificada em abril. Quatro dos cinco subgrupos apresentaram aceleração, com destaque para materiais e componentes para a manufatura, que passou de 0,94 por cento para 1,95 por cento em maio.

O grupo Matérias-Primas Brutas mostrou em maio alta de 1,19 por cento, ante inflação de 0,83 por cento em abril. Contribuíram para a aceleração do grupo os itens café em grão (-8,79 por cento para -2,24 por cento), minério de ferro (0,51 por cento para 2,35 por cento) e mandioca (-11,98 por cento para -3,88 por cento).

HABITAÇÃO

O Índice de Preços ao Consumidor-10 (IPC-10) avançou 0,51 por cento, frente à alta de 0,53 por cento no mês passado. A maior contribuição para o movimento foi grupo Habitação, que passou de 0,77 por cento para 0,42 por cento em maio. Nesta classe destacaram-se os itens empregados domésticos (2,41 por cento para 0,24 por cento), taxa de água e esgoto residencial (1,59 por cento para 0,48 por cento) e aluguel residencial (0,89 por cento para 0,47 por cento).

Também houve decréscimos nas taxas de Alimentação (0,51 por cento para 0,38 por cento), Vestuário (0,81 por cento para 0,47 por cento), Educação, Leitura e Recreação (0,26 por cento para 0,18 por cento) e Transportes (0,28 por cento para 0,23 por cento).

Já o Índice Nacional de Custo da Construção-10 (INCC-10) registrou alta de 0,86 por cento, contra acréscimo de 0,71 por cento.

O índice relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços registrou variação de 0,49 por cento em maio, ante 0,42 por cento no mês anterior. O índice que representa o custo da Mão de Obra subiu 1,23 por cento, ante 0,98 por cento anteriormente.

O IGP-10 calcula os preços ao produtor, consumidor e na construção civil entre os dias 11 do mês anterior e 10 do mês de referência.

Na semana passada, indicadores de inflação vinham dando sinais de aceleração, principalmente com a alta de 0,64 por cento do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em abril, ante alta de 0,21 por cento em março.

Mas na quarta-feira a Fundação Getulio Vargas (FGV) divulgou que o Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) desacelerou para uma alta de 0,55 por cento na segunda quadrissemana de maio, depois de avançar 0,57 por cento na primeira prévia do mês.

A equipe econômica vem rejeitando que a aceleração dos preços possa prejudicar o cumprimento da meta de inflação neste ano, de 4,5 por cento, adotando a postura de que a alta do IPCA é sazonal.

(Reportagem de Camila Moreira)

Mais conteúdo sobre:
MACRO IGPDEZ ATUA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.