Altamira pode ter mais moradores afetados por Belo Monte--estudo

Um estudo indica que o número de moradores que serão impactados diretamente pela inundação do lago da hidrelétrica de Belo Monte na cidade de Altamira, no Pará, poderá ser 55 por cento maior que o registrado nos estudos ambientais da usina, informou o Ministério Público Federal no Pará (MPF-PA) nesta terça-feira.

REUTERS

13 Março 2012 | 21h50

O levantamento, realizado pelo Instituto de Tecnologia da Universidade Federal do Pará (UFPA), foi feito a pedido do Ministério Público e indica que o total de pessoas atingidas na cidade em que a usina de cerca de 11 mil megawatts (MW) será implementada será de 25,4 mil moradores, e não de 16,4 mil, conforme previsão registrada no relatório de impactos ambientais do projeto.

O MPF-PA afirmou que a "discrepância entre os resultados é causada, em resumo, porque os cálculos foram feitos a partir de referências diferentes".

Enquanto a UFPA se baseou apenas em um marco topográfico homologado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a equipe contratada pela Norte Energia S.A (Nesa), empresa responsável pela construção da usina, adotou uma série de outros pontos topográficos que estão desatualizados ou que não são do IBGE.

A Norte Energia tem entre seus sócios a Eletrobras, Cemig e Vale.

(Por Fábio Couto)

Mais conteúdo sobre:
ENERGIA BELOMONTE ESTUDO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.