Alunas de escolas só para meninas preferem rapazes com rosto feminino, diz estudo

Pesquisa de universidade escocesa sugere que 'dieta visual' influencia jovens; meninos de escolas exclusivas optam por amigos com feições mais masculinas.

BBC Brasil, BBC

29 Agosto 2009 | 12h15

Uma pesquisa britânica sugeriu que alunas de escolas exclusivamente para meninas sentem maior atração por meninos com feições femininas.

Já no caso das escolas exclusivas para meninos, o ambiente escolar parece exercer uma influência menor na atração pelo sexo oposto. De acordo com o estudo liderado pela Universidade St. Andrews, na Escócia, a preferência em relação ao rosto de meninas não muda, mas há uma tendência de os meninos buscarem a companhia de rapazes com feições mais masculinas.

A pesquisa foi feita com 240 adolescentes com idades de 11 a 15 anos, que estudavam em escolas mistas ou exclusivas para um ou outro gênero. Eles observaram fotos de pessoas com rostos levemente alterados por computador que ficavam mais femininos ou masculinos, e responderam a um questionário.

"Esta pesquisa é evidência de que a 'dieta visual' de uma pessoa pode influenciar o que ela acha atraente", disse Tamsin Saxton, que liderou o estudo. Ela revelou, contudo, que a influência do ambiente escolar sobre o gosto de meninos e meninas é menos intensa em crianças que convivem com irmãos do sexo oposto em casa.

Entre eles a atração por feições femininas ou masculinas não é tão marcante.

Estudos anteriores já haviam sugerido que as mulheres tendem a preferir homens com feições mais delicadas como as dos atores Leonardo Di Caprio e Jude Law para relacionamentos mais duradouros.

A pesquisa foi resultado de uma colaboração com as universidades de Aberdeen, Stirling e Liverpool e foi publicado na revista Personality and Individual Differences.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.