Alunos com dificuldades terão turmas especiais

Além da recuperação contínua, a secretaria vai instituir a recuperação intensiva. A proposta é formar classes especiais de até 20 alunos que reprovaram ou que apresentaram dificuldades no ano anterior. O modelo vai funcionar em quatro momentos do ensino fundamental. As classes serão organizadas a partir da indicação dos docentes.

Mariana Mandelli, de O Estado de S. Paulo,

13 de janeiro de 2012 | 03h01

A primeira etapa dessa recuperação é no 4.º ano. A turma será formada por alunos que mostraram defasagem de conteúdo nos anos anteriores.

A segunda é no 5.º ano, nos moldes da anterior, mas com a diferença de que os alunos que reprovaram também serão atendidos - hoje, com o sistema de progressão continuada da rede estadual, os estudantes só podem repetir o 5.º e o 9.º ano.

O terceiro momento da recuperação será no 7.º ano, para quem teve dificuldades durante o 6.º. Por fim, a quarta etapa se dará no 9.º ano, para aqueles que precisarem estudar mais um ano do fundamental antes de irem para o médio. Este ano poderá ser cursado em sala regular quando os alunos tiverem resultados ruins em mais de três disciplinas - a decisão é da escola.

Com isso, o governo acaba com o atual sistema de recuperação paralela, no contraturno, para quem repetiu o 5.º e o 9.º ano.

O projeto preocupa a educadora da USP Silvia Colello. "Dividir os alunos em bons e ruins prejudica a autoestima e incorpora a ideia do fracasso."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.