Alunos da PUC entram em greve após cortes

Instituição fala em ''remanejamento'', mas estudantes acusam cortes em disciplinas sem aviso prévio

Mariana Mandelli e Felipe Mortara, O Estado de S.Paulo

22 de fevereiro de 2011 | 00h00

Alunos da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) afirmam que a instituição cortou diversas disciplinas do seu quadro acadêmico sem notificá-los. Segundo os universitários, eles só souberam das mudanças quando as aulas começaram, no dia 14. Eles afirmam que não houve nenhum tipo de negociação ou aviso prévio.

Alunos ouvidos pela reportagem afirmam que o corte atinge principalmente a Faculdade de Ciências Humanas e da Saúde, nas graduações de Psicologia e Fonoaudiologia. "Mas estamos levantando números com outras unidades e estimamos que cerca de cem disciplinas tenham sido cortadas", afirma Felipe Moda, de 22 anos, integrante do Centro Acadêmico de Psicologia da PUC-SP. "O que nós sabemos é que algumas foram finalizadas por corte de gastos." A mensalidade, segundo os estudantes, é cerca de R$ 1,8 mil.

Por conta do cancelamento das matérias, os alunos realizaram ontem uma assembleia e decidiram pela paralisação do curso com indicativo de greve. Os universitários afirmam que a decisão só foi tomada após uma semana de "tentativas frustradas de negociação com a reitoria".

Segundo os estudantes da Faculdade de Ciências Humanas e da Saúde da PUC-SP, 15 disciplinas foram canceladas - 4 de Fonoaudiologia e 11 de Psicologia. Dessas 11, 8 são da grade curricular da turma VE3, correspondente aos alunos dos períodos vespertino e noturno que cursam o terceiro semestre.

"Teríamos 12 disciplinas neste semestre, mas cortaram 8. Não sabemos como vai ser, porque não disseram absolutamente nada sobre juntar a nossa turma com outra. Estamos sem nenhuma informação", afirmou uma aluna da VE3, de 18 anos, que preferiu não se identificar. "Disseram que o critério era cancelar turmas com menos de 25 alunos, mas a minha tem 27. Não faz sentido", conta a estudante.

De acordo com essa aluna, a coordenação do curso ainda não sabe o que fazer com os estudantes. "E já estamos na segunda semana de aulas", afirma ela. Os estudantes dizem que mesmo a coordenação do curso só ficou sabendo do cancelamento no dia 11, sexta-feira que antecedeu o início das aulas.

Remanejamento. Em nota oficial, a PUC-SP afirma que "não houve fechamento de turma nem cancelamento de disciplina no curso de Psicologia", mas sim um remanejamento dos estudantes.

A reitoria ressalta que a mudança não prejudicará nenhum aluno, "uma vez que foi decidida nas instâncias competentes da universidade, tendo como base o projeto pedagógico do curso".

A paralisação do curso de Psicologia será mantida até as 12 horas de hoje. Pela manhã, os estudantes acompanham a reunião do Conselho Administrativo (Consad). Mais tarde, haverá uma reunião entre docentes e alunos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.