Alunos festejam novo modelo de cálculo da nota

As mudanças na Fuvest beneficiarão os mais preparados e capazes de responder com igual desenvoltura a questões do tipo teste e dissertativas. A opinião é de professores e estudantes. Para eles, a USP terá mais elementos para avaliar os candidatos.

, O Estado de S.Paulo

03 Junho 2011 | 00h00

A alteração mais festejada foi a reinclusão da nota da primeira fase no cálculo final da pontuação. "Não era justo o aluno se preparar para uma prova e depois ter de jogar fora seu desempenho", diz Vera Antunes, coordenadora do Objetivo. A coordenadora pedagógica do Cursinho da Poli, Alessandra Venturi, crê que a primeira fase vai ficar mais difícil. "Deve subir o nível."

Segundo o coordenador do Etapa, Carlos Bindi, a mudança na fórmula de convocação para a segunda fase precisa ser melhor definida. "Isso cria carga de estresse maior para os candidatos de carreiras concorridas."

Para o coordenador do Anglo, Nelson de Castro, os alunos da rede pública de ensino serão indiretamente penalizados. "A Fuvest vai beneficiar os melhores candidatos, que, na maioria das vezes, vêm de escolas privadas."

Para estudantes, as mudanças tornarão a USP mais seletiva. "Acho que eles só estão buscando os melhores", diz Giovanni Guilherme de Medeiros Magliano Filho, de 18 anos, que faz cursinho pelo segundo ano e tentará uma vaga em Engenharia. "Minha única queixa é que poderiam ter decidido e anunciado antes."

César Augusto Tadeu Mamede de Souza, de 19 anos, também veterano na Fuvest e candidato a Engenharia pela segunda vez, acredita que as mudanças vão pesar mais para os candidatos de "cursos menos competitivos", pois eles "terão uma nota de corte maior na primeira fase". / CARLOS LORDELO, FELIPE MORTARA e FELIPE ODA, JORNAL DA TARDE

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.