Alunos ganharão guia de aves do Cerrado

Um total de 15 mil alunos, a maioria do Triângulo Mineiro, aprenderá sobre o universo das aves e do bioma Cerrado com a ajuda de uma cartilha. A obra Folclore e História Natural das Aves no Brasil Central será distribuída gratuitamente aos estudantes da 5.ª à 8.ª série (ou do 6.º ao 9.º ano) do ensino fundamental por meio do projeto Asas da Cultura. Com a cartilha em mãos, os alunos poderão aprender na prática, com visitas a campo para observar as aves. "Queremos que os alunos aprendam não com animais da África, mas com aqueles que estão a seu alcance", diz Tomas Sigrist, autor da cartilha. O guia traz a ilustração de 300 espécies vistas no Cerrado e municípios de Minas Gerais e Goiás. A ave que enfeita a capa é a gralha-do-campo. Segundo Sigrist, aulas e treinamento de observação de aves serão disponibilizadas aos professores - eles receberão material complementar: o livro Aves do Brasil - Bioma Cerrado e o CD Canto das Aves do Brasil Central. A próxima etapa do projeto deve ter como tema aves em mangues na região de Cubatão.

Afra Balazina e Andrea Vialli, Com Agências, O Estado de S.Paulo

13 Abril 2010 | 00h00

ENERGIA LIMPA

União Europeia precisa investir R$ 124 milhões

A União Europeia precisará investir 52 milhões (R$ 124,3 milhões) ao ano até 2050 em energias limpas, segundo relatório da Fundação Europeia para o Clima. O documento será entregue à Comissão Europeia. As energias eólica e solar serão os principais substitutos para o petróleo e gás daqui até 2050, segundo o documento. A Espanha deve reafirmar seu papel de principal produtor europeu de energia solar. Já a França deverá se encarregar da produção de boa parte da energia eólica da União Europeia. O grupo de países se comprometeu a reduzir em 80% as emissões de gases-estufa até 2050.

ANIMAIS

Japão caça menos baleias do que a meta

O Japão não conseguiu fechar sua meta de baleias caçadas na Antártida durante o ano fiscal 2009, que terminou em março. Foram abatidos 507 animais, 40% a menos do que o país planejava abater. A causa da redução foram as intervenções do grupo ativista ambiental Sea Shepherd, que interceptou na Antártida os baleeiros japoneses (foto) que praticam a "caça científica", que é como o governo japonês denomina o abate de baleias. Os ativistas do Sea Shepherd alegam que os japoneses praticam a caça com objetivos comerciais e chegaram a provocar colisões em alto-mar para impedir o abate.

CLIMA

Bolívia quer criar órgão paralelo à ONU

Bolívia proporá a criação de um organismo mundial para proteger o planeta que funcione em paralelo à ONU. A ideia será dada durante a Conferência Mundial dos Povos sobre Mudanças Climáticas, que será realizada na semana que vem em Cochabamba e deve contar com a presença dos presidentes do Equador, Venezuela, Bolívia e Nicarágua. /

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.