Ambientalistas protestam contra energia nuclear na sede do BNDES

Integrantes do grupo ambientalista Greenpeace fizeram uma manifestação contra a energia nuclear na sede do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (VBNDES) na manhã desta segunda -feira e o acesso ao prédio precisou ser fechado por alguns minutos.

REUTERS

25 de abril de 2011 | 12h29

O protesto pacífico reuniu cerca de 20 pessoas que usavam macacões e máscaras de gás na tentativa de chamar a atenção da população para os riscos gerados pelas usinas nucleares.

Os manifestantes ainda lançaram vários sinalizadores coloridos que provocaram uma camada densa de fumaça nas proximidades da sede do banco. Máscaras de gás que faziam alusão à contaminação por radiação provocada por acidentes nucleares, como o ocorrido recentemente no Japão, também foram distribuídas as pessoas que passavam pelo local.

Por medida de segurança, as entradas do edifício sede do BNDES foram interditadas e fechadas com grades. A interdição durou cerca de meia hora.

O BNDES financia a obra de construção da usina nuclear de Angra 3, que está sendo feita perto das outras duas unidades nucleares brasileiras também na cidade de Angra dos Reis, litoral sul do Estado.

"Queremos chamar atenção que amanhã o desastre nuclear de Chernobyl completa 25 anos e lembrar também que os nossos reatores nucleares são obsoletos e datam da década de 70", disse o coordenador do movimento, Ricardo Baitelo.

No mês de março, um terremoto seguido de tsunami provocou um grave acidente nuclear na cidade de Fukushima, no Japão, e desde então, a discussão sobre o uso da energia nuclear se intensificou em todo o mundo.

(Por Rodrigo Viga Gaier)

Mais conteúdo sobre:
GERALGREENPEACEPROTESTO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.